Negociações de paz para a Síria são retomadas em Genebra

Genebra, 13 Abr 2016 (AFP) - As negociações de paz para a Síria foram retomadas em Genebra nesta quarta-feira, quando em terra a trégua corre o risco de se romper e o regime organiza eleições legislativas nas regiões que controla.

Este novo ciclo de diálogo, que deve durar 10 dias, ocorre três semanas depois de uma primeira rodada na qual não foram registrados avanços importantes.

Durante a tarde, o emissário da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, se reuniu com a delegação do Alto Comitê de Negociações (ACN), que reúne os principais grupos opositores.

"Vamos discutir com mais profundidade este assunto da transição política", disse De Mistura em entrevista coletiva.

O chefe da delegação do ACN, Assad al-Zoabiel, disse que o presidente sírio, Bashar al-Assad, "é um mal que atingiu a Síria, que forçou milhões a abandonar suas casas e prendeu milhares de pessoas".

"A única forma de solução para os sírios é que Assad e outros personagens emblemáticos do regime partam".

Perguntado sobre as eleições legislativas organizadas nesta quarta-feira na Síria, o chefe da delegação do ACN qualificou o processo de "farsa".

A delegação do governo sírio chegará na quinta ou sexta-feira a Genebra, devido às eleições.

"A próxima fase das negociações de Genebra será crucial" porque "nos concentraremos na transição política, na governança e nos princípios constitucionais", advertiu De Mistura na segunda-feira em Damasco.

O regime e a oposição estão divididos sobre a questão da transição política, porque esta última exige a criação de um corpo executivo dotado de todos os poderes e do qual o presidente Bashar al-Assad seria excluído. O regime, por sua vez, pede um governo ampliado a membros da oposição sob a presidência de Assad.

A Rússia, que apoia Damasco política e militarmente, considera que as negociações devem se concentrar na redação de uma nova Constituição.

"O resultado do processo político deve ser uma nova Constituição, na qual as eleições antecipadas se amparem", disse o chanceler russo, Serguei Lavrov.

A retomada das negociações coincide com as eleições legislativas que o regime organiza nesta quarta-feira nas zonas sob seu controle.

Mais de 11.000 candidatos concorrem a estas segundas eleições desde o início da guerra, em 2011, consideradas ilegítimas pela oposição dentro e fora da Síria, assim como pelo Ocidente.

Segundo um porta-voz do governo britânico em Genebra, estas eleições "demonstram a que ponto (o regime) é alheio à realidade". "Apenas quando tiver sido criado um órgão de transição e os combates tiverem cessado será possível organizar eleições livres e justas", acrescentou.

Preocupação pela tréguaDe Mistura expressou na terça-feira por videoconferência ante o Conselho de Segurança sua preocupação pelo "aumento do nível de violência", em particular em Hama, Damasco e Aleppo.

A trégua em vigor desde 27 de fevereiro parece cada vez mais frágil na Síria, onde regime e jihadistas se preparam para uma batalha decisiva na província setentrional de Aleppo.

O diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahman, falou de "um aumento notável das operações militares, em particular na província de Aleppo, em comparação com o mês de março".

Os combates também prosseguem em vários pontos da estrada que une Aleppo e Damasco, por um lado entre tropas do regime e jihadistas da Al-Qaeda, e por outro entre vários grupos rebeldes.

A província de Aleppo, cujo controle é dividido entre o regime, os rebeldes, os jihadistas e os curdos, "tem a chave da paz ou da guerra na Síria", segundo Rahman.

Nem a filial síria da Al-Qaeda, a Al-Nosra, nem o grupo Estado Islâmico participam na trégua negociada, mas a primeira combate junto a rebeldes das centenas de grupos insurgentes que assinaram o cessar-fogo.

"Fugi à Turquia em 2014 com minha família após os mortíferos ataques contra o leste de Aleppo. Retornei depois da entrada em vigor da trégua, mas agora temo o mesmo cenário", contou Abu Mohamad, um morador de Aleppo de 38 anos.

O Programa Mundial de Alimentos (PMA) advertiu que as entregas de suprimentos para a população presa no conflito podem ser interrompidas brutalmente se as hostilidades forem retomadas.

"O cessar-fogo (...) deu à população muito mais que um simples acesso aos mercados, deu um acesso à ajuda. Deu esperança", declarou à AFP o número 2 do PMA, Matthew Hollingworth. "E o fim do cessar-fogo acabaria com esta esperança".

bur-ram/mf/ma/lr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos