Pyongyang exige que desertores norte-coreanos no Sul se reúnam com familiares

Seul, 21 Abr 2016 (AFP) - A Coreia do Norte anunciou, nesta quinta-feira, que deseja organizar um encontro, inclusive em Seul, entre norte-coreanos que fugiram recentemente e seus familiares para demonstrar que foram sequestrados pela Coreia do Sul.

Doze norte-coreanas empregadas por um restaurante norte-coreano na China e seu administrador chegaram no início de abril à Coreia do Sul.

Seul assegura que desertaram voluntariamente, mas a Coreia do Norte denuncia que foram enganadas por agentes de inteligência do Sul, que as "sequestraram" com a cumplicidade do administrador.

Um porta-voz da Cruz Vermelha norte-coreana afirma em um comunicado que as famílias das 12 mulheres queriam ter um "contato direto" com elas o mais rápido possível, e que enviariam os familiares a Panmunjom (localidade fronteiriça entre as duas Coreias) e inclusive a Seul, se fosse necessário.

"Queremos permitir que as mulheres se reúnam com seus familiares para esclarecerem diretamente sua posição", declara o comunicado. Qualquer rejeição de Seul "equivaleria a reconhecer o sequestro do grupo", completa.

Cerca de 30.000 norte-coreanos fugiram da pobreza e da repressão para se restabelecerem no Sul capitalista.

Mas as fugas em grupo são mais incomuns, em particular de funcionários que trabalham em restaurantes administrados por Pyongyang no exterior e que são uma fonte importante de renda.

Estes funcionários procedem geralmente de famílias "fiéis" ao regime e são submetidos a uma intensiva formação ideológica antes de viajar para o exterior.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos