Jornalista holandesa é detida por várias horas por criticar Erdogan

  • ADEM ALTAN/AFP

    Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia

    Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia

Ancara, 24 Abr 2016 (AFP) - Uma jornalista holandesa de origem turca passou várias horas detida, depois de ser levada pela polícia de sua casa em Kusadasi, oeste da Turquia, por ter criticado o presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

"Coisas a esclarecer: livre, mas com a proibição de sair do território turco", escreveu a jornalista Ebru Umar no Twitter.

Durante a noite, ela havia tuitado: "Não estou livre, estamos seguindo para o hospital para um exame médico antes que me levem para a promotoria".

Ebru Umar escreveu recentemente um artigo muito crítico a Erdogan, no jornal Metro, sobre um e-mail enviado pelo consulado geral turco de Roterdã (oeste da Holanda).

No texto, que provocou polêmica, os turcos eram aconselhados a apontar os insultos nas redes sociais contra o presidente turco. O consulado citou um "mal-entendido".

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, informou por sua conta no Twitter que "entrou em contato com @umarebru durante a noite. Nossa embaixada está em contato com ela".

Os julgamentos por ofensas a Erdogan aumentaram na Turquia desde sua eleição à presidência em agosto de 2014.

Quase 2.000 processos judiciais foram abertos na Turquia contra artistas, jornalistas ou civis.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos