Médicos residentes ingleses, em guerra aberta com o governo, entram em greve

Londres, 26 Abr 2016 (AFP) - Os médicos residentes da Inglaterra, em guerra aberta com o governo conservador por suas condições de trabalho e salários, realizam nesta terça-feira uma greve que pela primeira vez inclui os serviços de emergências.

A greve terá um grande impacto no Serviço Nacional de Saúde (National Health Service, NHS), que emprega milhares de médicos residentes, graduados que estão completando a prática profissional.

Apesar de outra paralisação já ter sido realizada, esta é a primeira vez que uma greve afetará os serviços de emergências, como os que atendem vítimas de acidentes ou gestantes, mas os médicos mais veteranos e as enfermeiras estarão presentes no trabalho.

A Inglaterra tem mais de 50.000 médicos residentes - a saúde é descentralizada e Escócia e País de Gales administram o setor em seus territórios -, o que equivale a um terço do total de profissionais.

"É o dia mais triste da minha vida profissional. Como médico, nunca pensei que teria que abandonar o estetoscópio e entrar em greve. Mas o governo se recusa a nos ouvir", disse à AFP Fiona Martin, do hospital londrino Saint Thomas, próximo ao Parlamento britânico.

"Não é uma questão de salário, é uma questão de atender bem os pacientes", completou, em referência à reivindicação de maior financiamento e mais funcionários, em um contexto de envelhecimento e crescimento da população.

Quase 13.000 cirurgias e 113.000 consultas foram adiadas por causa da greve, que vai durar dois dias, terça-feira e quarta-feira, entre 8H00 e 17H00 (4H00 e 13H00 de Brasília).

O principal ponto de discórdia entre os médicos e o governo do primeiro-ministro David Cameron é o plano do chefe de Governo de passar a considerar o sábado como um dia normal de trabalho, em termos salariais.

Cameron e seu governo afirmam que desejam esta e outras reformas para criar uma saúde pública que preste os mesmos serviços nos sete dias da semana.

kah-jb-al/fp

IPSOS

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos