Líder de partido islamita de Bangladesh será enforcado por crimes de guerra

Dacca, 5 Mai 2016 (AFP) - O líder do principal partido islamita de Bangladesh, o Jamaat-e-Islami, será enforcado nos próximos dias, após a Suprema Corte confirmar nesta quinta-feira a sua sentença à morte por crimes de guerra.

Motiur Rahman Nizami foi condenado por assassinato, estupro e por planejar a morte de intelectuais durante a guerra de independência de 1971.

"Estamos satisfeitos. Não há mais obstáculos para a execução, a menos que solicite o perdão do presidente e que ele o conceda", declarou o procurador-geral Mahbubey Alam à AFP.

Um dos advogados do condenado informou que não pedirá o indulto presidencial.

As medidas de segurança foram reforçadas em Daca, a capital, que já está sob tensão pelos recentes assassinatos de ativistas, intelectuais e membros de minorias religiosas.

Três líderes do Jamaat e uma chefe do principal partido de oposição, o Partido Nacionalista de Bangladesh (BNP), foram executados desde 2013. Estas execuções provocaram distúrbios em que 500 pessoas morreram.

Jamaat-e-Islami considera que as acusações contra Nizami são falsas e visam desestabilizar os líderes do partido, aliado chave do BNP, e convocou uma greve geral para o domingo.

Nizami é chefe do Jamaat desde 2000 e foi ministro do governo apoiado pelos islamitas entre 2001 e 2006. A acusação estima que ele desempenhou um papel importante na criação da milícia islamita pró-paquistanesa Al Badr, que matou intelectuais, médicos e jornalistas durante o guerra de independência.

sj-sa/cc/ef/ah/erl/age/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos