Escolas reabrem após prolongação de trégua na cidade síria de Aleppo

Alepo, Síria, 7 Mai 2016 (AFP) - A trégua entre os rebeldes e o regime sírio foi prolongada por três dias na cidade síria de Aleppo, onde neste sábado algumas famílias retornavam as suas casas e as escolas do setor sob controle dos insurgentes reabriam.

O cessar-fogo auspiciado por Moscou e Washington na segunda cidade mais importante da Síria, que deveria expirar neste sábado à 01h01, hora local, prosseguirá por mais 72 horas, anunciou a Rússia, aliada do regime de Bashar al-Assad.

Quase 300 pessoas morreram desde 22 de abril pelos bombardeios na zona. O silêncio das armas permitiu que várias pessoas retornassem aos seus lares na parte em poder dos insurgentes, constatou a AFP.

"Decidi voltar com minha família porque conhecidos me disseram que estava em calma", declarou neste sábado à AFP Abu Mohamas, pai de seis filhos, no bairro de Kalasé.

Neste setor, as escolas reabriram depois de permanecer duas semanas fechadas.

"Quase todos os alunos voltaram às aulas, com exceção dos que deixaram seus bairros", afirmou à AFP Bara', um professor de ensino primário do bairro de Shaar. "Estou muito impaciente para vê-los".

Fronts de guerraA trégua temporária em Aleppo entrou em vigor na quinta-feira, depois que a trégua instaurada em nível nacional no dia 27 de fevereiro entre os insurgentes (não jihadistas) e o regime foi por água abaixo na cidade, estratégica para os dois grupos.

Segundo os analistas, se o regime se apoderar dos bairros rebeldes pode considerar que venceu a guerra.

Para os insurgentes, um fracasso seria quase o golpe final. Sobretudo porque a ascensão dos jihadistas da Frente Al-Nosra (braço sírio da Al-Qaeda) e do grupo Estado Islâmico (EI) os ofusca cada vez mais.

O cessar-fogo prolongado por iniciativa de Moscou engloba a província de Latakia (noroeste) e Aleppo. Está previsto que dure até terça-feira à 00h01 (18h01 de Brasília de segunda-feira), mas os Estados Unidos anunciaram que farão o que puder para mantê-lo o máximo possível.

Desde sua explosão em 2011, após a repressão sangrenta de manifestações pacíficas que pediam reformas, a guerra na Síria deixou mais de 270.000 mortos e milhões de deslocados.

Os combates prosseguem na província de Aleppo e em outras partes do país, como as localidades de Deir Ezzor (leste), Damasco (centro), Homs (também no centro) ou Deraa (sul). Vários grupos se enfrentam: o regime sírio contra os insurgentes, e os jihadistas contra o resto dos grupos.

Também estão envolvidos outros atores, como Rússia, o Hezbollah xiita libanês e o Irã, que apoiam o regime.

A coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos apoia os insurgentes e ataca pelo ar o EI, autor de múltiplas atrocidades no país e de atentados no exterior.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), o EI pendurou no muro de um jardim na localidade de Deir Ezzor os cadáveres de 10 soldados mortos em combate.

bur-ram/erl/aoc/ma

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos