Oposição cubana planeja apresentar candidatos às presidenciais de 2017

Havana, 12 Mai 2016 (AFP) - A oposição cubana antecipou nesta quinta-feira seus planos de apresentar candidatos às eleições presidenciais de 2017, que devem marcar a substituição de Raúl Castro do poder, apesar da negativa do governo comunista em abrir o sistema de partido único.

"Vamos nos apresentar às eleições e vamos vencer", disse o líder opositor Manuel Cuesta, porta-voz de um coletivo de pequenas organizações dissidentes às quais o governo não concede status legal.

Cuesta lançou a proposta durante a apresentação do programa "Todos cabemos. Em direção a um projeto de nação", da Mesa de Unidade de Ação Democrática (MUAD), uma plataforma criada em 2015 para impulsionar uma transição democrática e pacífica na ilha.

Cuesta destacou que a MUAD, integrada por grupos que operam dentro ou fora da ilha, já trabalha com "cerca de 90" opositores para lançá-los como candidatos nas eleições gerais de 2017.

Além disso, acrescentou que a plataforma já começou a apresentar aos cubanos seu programa de mudança, que inclui oito propostas mínimas, entre elas "eleições livres e plurais", "reconhecer a diáspora cubana como parte da nação" e "estimular o desenvolvimento da pequena e média empresa privadas".

A dissidência cubana conseguiu apresentar dois candidatos nas eleições municipais de abril de 2015, que foram derrotados nas urnas, lembrou Cuesta.

Há mais de meio século Cuba é governada pelo Partido Comunista, liderado por Raúl e Fidel Castro sob um sistema rígido que impede na prática a eleição nas urnas de candidatos opositores.

O presidente Raúl Castro, de 84 anos, prevê deixar o poder em 2018, depois de cumprir seu segundo mandato de cinco anos.

José Daniel Ferrer, que dirige a União Patriótica de Cuba, admitiu que outros programas similares para promover mudanças democráticas na ilha, como o Projeto Varela de 1998, não prosperaram no passado, mas considerou que agora existe uma nova conjuntura, tanto interna quanto externa.

"A maioria dos cubanos estão cansados e não acreditam minimamente no regime", ao mesmo tempo em que "crescem as manifestações de descontentamento e protesto", comentou Ferrer, ressaltando que a isto se soma "a nova política dos Estados Unidos em relação à ilha" e o que "está acontecendo na América Latina".

"O retrocesso que estes regimes muito próximos ao cubano estão sofrendo nos leva a pensar que estamos em uma boa conjuntura", acrescentou, referindo-se à situação no Brasil e na Venezuela.

Em Cuba, toda oposição é ilegal, e as autoridades da ilha atribuem as detenções de dissidentes a violações do código penal.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos