Promotoria italiana pede prisão do capitão de pior naufrágio de refugiados

Roma, 17 Mai 2016 (AFP) - Um promotor italiano pediu nesta terça-feira 18 anos de prisão contra o suposto capitão de um barco pesqueiro cujo naufrágio em abril de 2015 provocou a morte de 800 migrantes, o pior desastre desse porte registrado no Mediterrâneo.

A defesa apresentará seus argumentos entre junho e julho, no tribunal de Catânia (Sicília, sul).

O barco pesqueiro naufragou antes da costa da Líbia na noite de 18 a 19 de abril de 2015, após se chocar voluntariamente até três vezes contra o navio cargueiro que tentava socorrê-los.

O tunisiano Mohammed Ali Malek e o sírio Mahmud Bikhit foram dois dos 28 sobreviventes. A bordo exerceram as funções de capitão e contramestre, pelo que têm sido acusados oficialmente de homicídio involuntário, naufrágio e ajuda à imigração clandestina.

Para o segundo a bordo a promotoria solicitou seis anos de prisão.

A Marinha italiana continua buscando as vítimas do naufrágio. Até o momento resgataram 171 cadáveres dos restos do barco, situado a 370 metros de profundidade, a 150 km ao norte da costa libanesa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos