Juíza libanesa pede pena de morte para 106 jihadistas

Beirute, 18 Mai 2016 (AFP) - Uma juíza militar libanesa pediu nesta quarta-feira a pena de morte para 106 pessoas, a maioria sírias, envolvidas nos combates entre grupos jihadistas e o exército libanês em 2014, informou uma fonte judicial.

A juíza Najat Abu Shakra, de um tribunal de instrução, acusou 73 sírios, 32 libaneses e um palestino pertencentes a "organizações terroristas" que em agosto de 2014 atacaram Aarsal, perto da fronteira com a Síria, informou a fonte à AFP.

Dos acusados, 77 estão sob custódia e 29 estão foragidos, entre eles o "emir" da Frente al-Nosra na região de Qalamun, localizada entre os dois países, conhecido sob o pseudônimo de Malek al-Tali.

Trinta soldados e policiais libaneses foram sequestrados em agosto de 2014 em Aarsal após violentos confrontos entre o grupo Estado Islâmico (EI) e a Frente al-Nosra (o ramo sírio da Al-Qaeda).

Quatro reféns foram executados por um dos lados. A Al-Nosra negociou em dezembro passado a troca de 16 reféns por quatro islamitas presos no Líbano, enquanto nove soldados permanecem nas mãos do EI.

O Líbano já recebeu mais de um milhão de refugiados desde a eclosão da guerra civil na Síria, em 2011. Seu território foi palco de vários ataques e seu exército entra em confronto frequente com grupos jihadistas.

str-rh/ram/jri/js/tjc/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos