Erdogan encarrega Yildirim de formar novo governo na Turquia

Ancara, 22 Mai 2016 (AFP) - O presidente turco, Recep Erdogan, ordenou neste domingo que formasse um novo governo Binali Yildirim, um de seus aliados e novo líder do partido islâmico-conservador no poder na Turquia, anunciou a presidência turca.

Pouco antes, Erdogan recebeu o chefe de governo Ahmet Davutoglu, que apresentou seu pedido de demissão, após quase dois anos no poder, segundo um comunicado.

"O presidente pediu a Davutoglu que se encarregue dos assuntos correntes até a formação de um novo conselho de ministros", diz o texto.

Desde a sua escolha, durante um congresso extraordinário em Ancara, Yildirim defendeu a transição para o sistema presidencialista, reclamado com insistência por Erdogan.

O presidente reforçou neste domingo seu poder na Turquia, com a eleição do aliado fiel Yildirim como líder do partido governante e próximo premier.

Yildirim, ministro dos Transportes, foi eleito neste domingo para o comando do partido islâmico-conservador no poder, em um congresso no qual era candidato único.

O político, 60, que recebeu a incumbência de formar o novo governo, ganhou o apoio do conjunto dos delegados do Partido de Justiça e Desenvolvimento (AKP).

A principal missão do próximo chefe de governo será realizar o projeto de reforma constitucional de Erdogan, para tornar o regime turco presidencialista.

"O que devemos fazer como prioridade é passar da atual situação, de fato, para uma situação legal", mudando a Constituição para um regime presidencialista", disse Yildirim no congresso do AKP. Isto consolidaria os poderes de Erdogan.

"Trabalharemos em harmonia total com todos os nossos camaradas do partido em todos os níveis, começando por nosso presidente, fundador e líder", prometeu nesta semana o novo chefe do AKP.

- Aviso à UE -No rastro da política de Erdogan, o próximo premier disse que "a União Europeia deve pôr fim à confusão envolvendo uma adesão plena da Turquia ao bloco".

"Já é hora de saber o que a UE pensa sobre a Turquia", disse Yildirim neste domingo em seu discurso para os militantes do AKP.

A Turquia apresentou sua candidatura em 1987, e negocia uma adesão à UE desde 2005.

Esta confusão também se aplica ao tema dos migrantes, sobre o qual Ancara e a UE fecharam um acordo em março, afirmou Yildirim, ministro dos Transportes, que se tornou hoje novo chefe do AKP, partido islâmico-conservador no poder.

Ancara impôs condições ao acordo sobre migrantes entre UE e Turquia - segundo o qual aceita receber todos os migrantes e solicitantes de asilo que chegam às ilhas gregas -, entre elas uma aceleração das negociações para se aproximar da UE e a isenção de vistos para cidadãos turcos que viajarem ao continente europeu.

Yildirim sucede no comando do partido e do governo Ahmet Davutoglu, que se destacou por sua atuação moderada e pediu demissão como primeiro-ministro devido à tensão crescente com Erdogan.

Binali Yildirim, ministro dos Transportes quase sem interrupção desde 2002, foi o artífice dos trabalhos de urbanização faraônicos promovidos por Erdogan.

- Sob a sombra de Erdogan -Horas depois de sua eleição como líder do AKP, no poder na Turquia desde 2002, Yildirim será encarregado pelo chefe de Estado da formação do novo governo.

O novo Executivo terá a marca de Erdogan, que sempre controlou o partido que fundou em 2001, embora, como presidente da Turquia, seu papel devesse ser neutro.

A chegada ao comando do governo de um homem leal ao presidente permitiria a este último reforçar sua autoridade no Executivo e pôr fim ao governo de Davutoglu, com quem teve diferenças, principalmente em relação ao conflito curdo e à forma de negociar com a UE a crise migratória.

"Yildirim poderá ser o último premier da Turquia. Ocupará apenas um papel de adjunto de Erdogan no sistema presidencialista que o mesmo deseja estabelecer", comentou o especialista em ciência política Gökhan Bacik.

O analista também previu que Erdogan terá sob seu controle as políticas externa e econômica do novo Executivo.

A perspectiva de ver Erdogan reforçar ainda mais seu poder preocupa seus detratores, que o acusam de seguir por um caminho autoritário.

A decisão mais recente dos parlamentares turcos aponta para esta polarização crescente na sociedade turca.

O parlamento aprovou na última sexta-feira, por sugestão de Erdogan, a retirada da imunidade dos deputados pró-curdos, no momento em que o país vive no ritmo dos combates sangrentos entre as forças de segurança e os rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

BA/tjc-me/avl-me/es/lb

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos