Policial de Baltimore absolvido um ano depois da morte de Freddie Gray

Baltimore, Estados Unidos, 23 Mai 2016 (AFP) - Um policial de Baltimore foi absolvido nesta segunda-feira no caso de Freddie Gray, um jovem negro morto há mais de um ano enquanto era transportado até uma delegacia de polícia, em um processo emblemático da brutalidade policial nos Estados Unidos.

"Hoje, o juiz Barry G. Williams julgou o oficial Edward Nero como inocente das acusações penais (...) Agora que o caso penal está encerrado, o policial Nero será alvo de uma investigação administrativa do departamento de polícia", comentou a prefeita de Baltimore, Stephanie Rawlings-Blake.

"Pedimos novamente aos cidadãos que sejam pacientes e permitam que o processo chegue ao fim. Em caso de distúrbios na cidade, estamos preparados para responder", acrescentou.

Diante do tribunal, cerca de uma dezena de pessoas rejeitaram o veredito cantando "No Justice, No Peace" (Sem justiça não há paz).

Edward Nero, um dos seis policiais julgados separadamente nesta cidade portuária do leste do país, foi declarado inocente das quatro acusações formuladas contra ele pela morte de Gray, ocorrida em 12 de abril de 2015.

Gray sofreu uma fratura das vértebras cervicais enquanto era transportado pela polícia a uma delegacia, ainda que os feitos, todavia, ainda não estejam esclarecidos.

Dessa forma, o juiz Williams rechaçou as acusações de prisão sem justificativa que pesavam sobre Nero, já que não havia sido ele o primeiro a prender Gray.

Posteriormente, acrescentou Williams, "o contato com o acusado estava legalmente justificado" no percurso da prisão.

Williams também rechaçou a acusação a Nero de não ter colocado em Gray o cinto de segurança no veículo policial, julgando que a parte acusadora não poderia provar a negligência de Nero em prevenir o risco de vida do detido, nem durante a prisão nem no transporte.

Considerou que, com outros policiais dentro do veículo, Williams poderia "razoavelmente assumir" que eles colocariam Gray em segurança para ser transportado.

Além disso, os policiais acusados (três brancos e três negros, incluindo uma mulher) sustentaram a versão de uma morte acidental.

O julgamento de Nero é o segundo deste caso, depois que o processo contra o oficial William Porter foi declarado nulo, pois os promotores não chegaram a um acordo, em dezembro do ano passado.

A morte de Gray, alguns dias depois do incidente no veículo policial, provocou motins, distúrbios, saques e vandalismo.

O presidente Barack Obama condenou aquelas manifestações de violência, embora tenha ressaltado as "questões inquietantes" envolvendo a morte de Gray.

O próximo julgamento relacionado à morte de Gray será do policial Caesar Goodson Jr, o motorista da van onde a vítima foi transportada. O julgamento está previsto para o dia 6 de junho, segundo o jornal Baltimore Sun.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos