Atirador mata homem e se suicida na americana UCLA

Los Angeles, 2 Jun 2016 (AFP) - Depois de matar um homem, um atirador se suicidou, nesta quarta-feira, na renomada UCLA (unidade de Los Angeles da Universidade da Califórnia), no oeste dos Estados Unidos.

"Às 10h, houve um homicídio e um suicídio no prédio de Engenharia", informou o chefe da Polícia de Los Angeles (LAPD), Charlie Beck.

"A situação parece totalmente sob controle. Acreditamos que não haja outros suspeitos, nem outra ameaça no campus da UCLA", acrescentou.

As autoridades não identificaram os mortos, mas vários meios de comunicação afirmam que trata-se de um estudante que atirou e matou um professor, antes de se suicidar.

Muitos estudantes publicaram mensagens nas redes sociais identificando a vítima como William Scott Klug, professor de engenharia mecânica e aeroespacial.

Grupos de intervenção da Polícia continuavam revistando minuciosamente o prédio da Faculdade, Boelter Hall, em busca de outras eventuais vítimas, ou mesmo agressores.

Todas as aulas foram canceladas durante o dia. O bloqueio foi suspenso pouco depois do meio-dia (horário local).

"Estamos no processo de devolver o campus aos estudantes. Eles estão nas provas finais. Essa é uma época muito estressante para eles, e estamos tentando amenizar isso", completou o chefe da LAPD.

Vizinha da universidade, a escola de ensino fundamental Warner também foi fechada "por precaução", de acordo com as autoridades do Departamento de Educação de Los Angeles.

"Temos centenas de agentes no campus, avaliando a situação", declarou o chefe da segurança da UCLA, James Herren, destacando que o FBI, a Polícia Federal americana, intervirá no caso.

Durante o incidente, estudantes e funcionários eram vistos deixando os prédios de braços levantados. Alguns eram imobilizados no chão, enquanto os agentes procuravam por armas.

Por celular, a universidade alertou os alunos sobre o tiroteio e orientou-os a buscar abrigo.

A instituição conta com pelo menos 43.000 estudantes do mundo todo. Porte e posse de armas de fogo são proibidos na UCLA.

A seleção brasileira de futebol, que planejava treinar na UCLA nesta quarta-feira, cancelou a atividade no local devido ao tiroteio.

"Em razão do ocorrido na manhã desta quarta-feira no campus da UCLA, a Seleção Brasileira não treinará na Universidade", informou a CBF em um comunicado.

"A prática comandada pelo técnico Dunga será, mais uma vez, no campo de treinamento do StubHub Center", Centro de Treinamento do Los Angeles Galaxy, ex-time do astro David Beckham da Major League Soccer norte-americana.

Obama é informadoO reitor da universidade, Scott Waugh, disse que as aulas voltam ao normal amanhã (2) e que os exames finais não serão interrompidos.

"Professores, funcionários e alunos devem aparecer amanhã e seguir sua rotina normal e completar o trimestre, como planejado", afirmou Waugh.

"Trata-se de um evento trágico, mas isso mostra que, com preparação adequada e boa cooperação com nossas agências de cumprimento da lei, podemos ter um desfecho bem-sucedido", acrescentou.

A Casa Branca disse que o presidente Barack Obama foi informado da situação e pediu à sua equipe que o mantenha atualizado.

Desde o início do ano, houve 5.451 mortos por armas de fogo nos Estados Unidos e 21.549 incidentes envolvendo essas armas, de acordo com o site Gunviolencearchive.org.

Há dois anos, Elliot Rodger, de 22, esfaqueou até a morte três colegas de quarto e, em seguida, matou três mulheres com uma arma de fogo em uma universidade perto de Santa Barbara, duas horas ao norte de Los Angeles. Ao menos outras 13 pessoas foram feridas por Rodger.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos