Preso policial que matou músico negro no sudeste dos EUA

Miami, Estados Unidos, 1 Jun 2016 (AFP) - O ex-policial que matou, no ano passado, um músico negro que havia sofrido um acidente na estrada, foi preso e acusado de homicídio culposo, informou nesta quarta-feira a promotoria que cuida do caso na Flórida.

Um grande número de jurados decidiu que o uso da força por parte de Neuman Raja, então policial da localidade de Palm Beach Gardens, foi "injustificável", disse o promotor Dave Aronberg, do condado de Palm Beach, ao norte de Miami.

"Como resultado desta decisão, este escritório acusou formalmente Raja em duas categorias. Uma de homicídio involuntário por negligência culposa (...) e outra de tentativa de assassinato em primeiro grau com arma de fogo", explicou o promotor em coletiva de imprensa.

O ex-policial foi preso. Deve ser considerado culpado, podendo ser condenado à prisão perpétua.

Corey Jones, um respeitado músico de 31 anos, morreu na madrugado de domingo, 18 de outubro, com três dos seis tiros disparados pela arma de Raja.

Jones estava pedindo assistência para seu veículo na beira da estrada, pois havia se acidentado em seu carro quando voltava de um show que havia feito com a sua banda, "Future Prezidents". Levava a bateria consigo.

De acordo com um comunicado divulgado nesta quarta pela promotoria, o músico estava ligando para um serviço de assistência de estradas quando o policial se aproximou, vestido à paisana, e sem se identificar.

Nouman Raja: "Está tudo bem?"

Jones: "Estou bem".

Raja: "É verdade?"

Jones: "Sim, estou bem".

Raja: "É verdade?"

Jones: "Sim".

Raja: "Coloque suas malditas mãos para cima! Coloque suas malditas mãos para cima!"

Jones: "Espera!"

Raja: "Suas malditas mãos para cima! No chão!".

Imediatamente depois, foram ouvidos três disparos e o operador que atendia à chamada telefônica exclamou, "Meu Deus!". Após alguns segundos, foram ouvidos outros três disparos, segundo o comunicado da promotoria.

A família de Jones se disse "aliviada" com a prisão de Raja, através de um texto divulgado por seu advogado, Benjamin Crump.

"Ainda que saibamos que nada irá trazer nosso filho, irmão e amigo de volta, sua prisão envia uma mensagem de que esta conduta não será tolerada pelas corporações policiais", destacaram.

"Nosso objetivo agora, como família, é nos assegurarmos que isto nunca aconteça com outro cidadão inocente", acrescentou o comunicado.

O policial foi demitido da corporação em novembro do ano passado, depois do incidente.

A morte de Jones suscitou debates nos Estados Unidos sobre o abuso da força por parte da polícia com os cidadãos negros.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos