Trump alfineta juiz a cargo de julgamento contra sua 'universidade'

Washington, 3 Jun 2016 (AFP) - Donald Trump voltou a atacar nesta sexta-feira o juiz a cargo dos julgamentos sobre sua "universidade" on-line já fechada, e insistiu em que o magistrado não pode ser imparcial a respeito do caso devido às suas raízes mexicanas.

O virtual candidato presidencial republicano havia alfinetado o juiz Gonzalo Curiel em um discurso na semana passada, quando afirmou que ele era "uma desgraça total" e que sua origem mexicana constituía um "conflito de interesses absoluto" nos julgamentos.

Em uma entrevista publicada no jornal "The Wall Street Journal" desta sexta, Trump dobrou a aposta e disse que Curiel - que nasceu em Indiana, nordeste dos Estados Unidos - seria "parcial" devido à promessa eleitoral de Trump de construir um muro contra os imigrantes ao longo da fronteira com o México.

"Estou construindo um muro. É um conflito de interesses inerente", declarou Trump ao jornal, assinalando que Curiel também pertenceria a uma organização de juízes latinos, o que, segundo ele, o desqualifica.

O magnata imobiliário entusiasmou seus seguidores e provocou a ira de muitos outros com sua proposta de construir um muro na fronteira, alegando que o México enviava criminosos aos Estados Unidos.

Trump também disse que se for eleito presidente, avaliará uma reforma das leis que garantem a liberdade de expressão para facilitar processos contra jornalistas.

A divulgação de documentos judiciais nos últimos dias sobre a investigação contra a "universidade" fundada por Trump em 2004 revelam acusações de práticas de venda fraudulentas e queixas coletivas de ex-alunos que asseguram terem sido enganados.

A aspirante democrata à Casa Branca Hillary Clinton, que provavelmente enfrentará Trump na eleição presidencial em 8 de novembro, tem criticado as declarações do multimilionário.

"Creio que seja terrível, creio que seja insultante", declarou Clinton à MSNBC.

"O juiz Curiel e sua família simbolizam o sonho americano", disse Lorella Praeli, encarregada das relações com a comunidade latina na campanha de Clinton.

"Seus pais trabalharam muito para dar a seus filhos nascidos nos Estados Unidos uma vida melhor", disse a respeito dos pais do juiz.

"O fato de Donald Trump não ver o juiz Curiel e sua família como americanos o torna inapto para ocupar a Presidência desta grande nação, uma nação de imigrantes", acrescentou.

As declarações de Trump deixaram também expostas as dificuldades existentes no Partido Republicano de unificar seus dirigentes e militantes por trás do magnata impetuoso.

Um dia após ter aprovado com relutância a nomeação de Trump para a eleição presidencial de novembro, o presidente republicano na Câmara dos Representantes Paul Ryan voltou a criticá-lo nesta sexta-feira.

Em declaração à rádio WISN realizadas em seu estado natal Wisconsin, Ryan disse que os ataques de Trump a Curiel estavam "fora de lugar".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos