Netanyahu admite ter recebido dinheiro de francês processado por fraude

Jerusalém, 6 Jun 2016 (AFP) - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, reconheceu nesta segunda-feira em um comunicado ter recebido dinheiro de um francês julgado em Paris por uma questão de fraude nos impostos de carbono, defendendo-se de ter descumprido a lei.

Arnaud Mimran é um dos principais acusados em um processo lançado em maio por fraude nos impostos de carbono.

A fraude, estimada em 283 milhões de euros (321 milhões de dólares), consistia em comprar quotas de emissão de CO2 antes da aplicação dos impostos em um país estrangeiro, para depois vendê-los na França por um preço que incluía o IVA, e posteriormente investir os lucros em uma nova operação.

Durante as audiências, Mimran afirmou ter doado um milhão de euros para a campanha de Netanyahu. Explicou tê-lo feito "a título pessoal" e na "conta pessoal" do atual primeiro-ministro israelense.

A questão principal é saber a data na qual Netanyahu recebeu o dinheiro. A imprensa de Israel informou sobre pagamentos em 2009, ano de eleições legislativas que levaram Netanyahu à liderança do governo.

"Se estes fundos foram fornecidos em 2009 para financiar sua campanha eleitoral e se foram no valor de um milhão de dólares, é ilegal. A lei limita a 11.480 shekels (2.670 euros, 3.030 dólares) a quantidade máxima da contribuição de uma pessoa privada a um candidato", disse o comentarista jurídico da rádio pública Moshe Negbi.

jlr-spe/lal/hj/avl/ma

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos