ONU denuncia crimes contra a humanidade na Eritreia

Genebra, 8 Jun 2016 (AFP) - Na Eritreia foram cometidos crimes contra a humanidade desde sua independência, em 1991, afirmou um relatório da Comissão de Investigação sobre as violações dos direitos humanos neste país africano divulgado nesta quarta-feira em Genebra.

Esta comissão, instalada em 2014 pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, revela especialmente que há "boas razões para acreditar que na Eritreia foram cometidos crimes contra a humanidade, como a escravidão, as detenções, os desaparecimentos forçados, a tortura e outros atos desumanos, desde 1991".

"A Eritreia é um Estado autoritário, não há nenhum poder judicial independente, não há uma assembleia nacional, e não há instituições democráticas (...) Há impunidade total para os crimes contra a humanidade cometidos há um quarto de século", declarou Mike Smith, presidente da Comissão de Investigação.

O relatório aponta que "os eritreus enfrentam um serviço nacional ilimitado, detenções arbitrárias, discriminações baseadas na religião ou na etnia, estupros e assassinatos".

Como consequência, a Comissão recomenda que o "Conselho de Segurança apresente" o dossiê da situação na Eritreia ante o procurador do Tribunal Internacional de Justiça para que o estude.

Além disso, a Comissão pede aos "Estados membros da ONU que exerçam suas obrigações de perseguir ou extraditar qualquer indivíduo suspeito de cometer crimes internacionais e que esteja em seu território".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos