Obama autoriza postura mais agressiva contra talibãs no Afeganistão

Washington, 10 Jun 2016 (AFP) - O presidente americano, Barack Obama, autorizou as forças dos Estados Unidos no Afeganistão a atacar mais diretamente o Talibã, cuja revolta ameaça o governo de Cabul, indicou uma autoridade americana nesta sexta-feira.

Apesar da presença há 14 anos de dezenas de milhares de soldados da Otan para apoiar as autoridades afegãs e dezenas de bilhões de dólares gastos em ajuda militar e civil, o Talibã recupera terreno.

As forças americanas, que já assessoram no terreno as forças especiais afegãs, vão dar o mesmo apoio ao exército regular, que enfrenta dificuldades para conter a ofensiva talibã.

"As forças americanas vão aportar um apoio mais ativo ao exército regular afegão em dois aspectos cruciais: mais apoio, especialmente através de um aporte aéreo, e, segundo, acompanhando e aconselhando as forças convencionais afegãos em terra e ar", disse a fonte, que pediu anonimato.

Diante de uma situação difícil no terreno, o presidente Obama havia decidido manter um contingente de 9.800 homens durante a maior parte de 2016.

Ele também decidiu deixar 5.500 militares em um pequeno número de bases, ao invés de remover a grande maioria das suas tropas e limitar a presença dos Estados Unidos ao pessoal diplomático normal.

Após as decisões anunciadas nesta sexta, os líderes militares serão capazes de envolver aviões militares para apoiar as tropas afegãs em combates no chão.

Os conselheiros militares também vão poder se aproximar dos combates em andamento, deixando as bases militares, onde estão agora.

Os soldados poderão agora prestar assistência a nível de brigadas, mas "não na linha de frente", indicou um alto funcionário do Pentágono.

Até agora, as forças especiais americanas eram autorizadas apenas a ajudar os seus colegas afegãos.

Este reforço era reivindicado há meses pelos militares americanos, preocupados em ver que as forças afegãs perderam terreno para os avanços do Talibã.

As forças afegãs perderam mais de 5.000 homens em 2015 para os insurgentes e precisaram recuar em várias regiões do país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos