OEA discute crise de orçamento após apoio a diálogo na Venezuela

Santo Domingo, 14 Jun 2016 (AFP) - A Assembleia Geral da OEA discute nesta terça-feira a crise de orçamento da CIDH depois de ter manifestado apoio o diálogo na crise atual vivida pela Venezuela.

Apesar de não estar na agenda de discussões, a Venezuela esteve presente no discurso inaugural da 46ª Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) na noite de segunda.

O presidente da República Dominicana, país anfitrião, Danilo Medina, declarou sua preocupação pelo "momento que os venezuelanos estão passando" e "seu apoio sem reservas" a um diálogo entre o governo e a oposição.

No entanto, a abertura do encontro foi marcada pelas declarações da chanceler venezuelana, Delcy Rdorgíguez, que acusou o secretário-geral da OEA de ser um "golpista".

"Almagro é promotor de um golpe de Estado na Venezuela e age em favor dos fatores opositores que pretendem, pela via da violência, depor um governo constitucional", disse Rodríguez, em sua chegada à capital dominicana.

Em 31 de maio, Luis Almagro publicou um relatório devastador sobre a crise venezuelana e evocou a Carta Democrática para solicitar uma reunião urgente do Conselho Permanente para debater o assunto.

A reunião foi marcada para 23 de junho.

Pouco antes, o embaixador da Venezuela na OEA, Bernardo Álvarez, havia reiterado o repúdio ao pedido de criação de um corredor humanitário para a entrada de medicamentos que havia feito antes Adolfo Flores Padrón, um venezuelano de 25 anos que falou como representante da juventude.

O tema principal da agenda do encontro, no entanto, é a CIDH, órgão autônomo da OEA, que monitora a situação dos direitos humanos na região, e tenta superar uma grave crise financeira.

A CIDH teve que suspender missões de observação na região e corre o risco de não renovar os contratos de 40% de seu pessoal em Washington por falta de recursos.

Emilio Álvarez Icaza, secretário-executivo da CIDH, disse à AFP que Argentina, Chile, Colômbia, Canadá, México e Panamá já estão oferecendo apoio, enquanto o Chile o tinha confirmado há duas semanas.

Se estas ajudas se concretizarem durante a Assembleia Geral, a CIDH poderá "atender à contingência de curto prazo", mas terá que "gerar uma mudança estrutural que evite chegar a este tipo de situação" no futuro.

Em 2015, a CIDH gerenciou um orçamento de 9 milhões de dólares, US$ 5 milhões dos quais provenientes da OEA (6% de seu orçamento) e US$ 4 milhões restantes de contribuições de países e organismos.

Os diálogos de domingo e segunda-feira também foram marcados pela presença de organizações antiaborto e anti-gay, que acusam a comunidade LGBT e as organizações contra a violência de gênero de querer impor sua agenda à OEA.

A assembleia terminará com uma resolução sobre os direitos dos imigrantes, dos povos indígenas e afro-descendentes, da mulher e da comunidade LGBT.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos