Alemães se consideram 'estrangeiros' em seu país por causa dos muçulmanos

Berlim, 15 Jun 2016 (AFP) - Um total de 50% dos alemães se considera "às vezes como um estrangeiro" em seu próprio país por causa da presença de "muitos muçulmanos", segundo um estudo divulgado nesta quarta-feira.

Em 2014, o índice era de 43%, mas em 2016 chegou à metade dos entrevistados, segundo o estudo da Universidade de Leipzig e várias fundações.

A pesquisa mostra que 41,4% das pessoas interrogadas consideram que "deveria ser proibida a entrada de muçulmanos" na Alemanha (36,6% em 2014).

Um alemão em cada três (33,8%) acredita que o país, que em 2015 recebeu mais de um milhão de refugiados, está "invadido" pelos estrangeiros "de forma perigosa".

Além disso, 59,9% dos entrevistados não acreditam que os refugiados são realmente perseguidos em seus países de origem e 32,1% consideram que estas pessoas desejam obter os benefícios sociais.

No leste do país, 13% desejam um líder ("Führer") "que governe em interesse de todos" (10% no oeste). E entre 25,5% (leste) e 21% (oeste) desejam um partido único que encarne a "comunidade popular", um conceito retirado da doutrina nazista.

O estudo ouviu 2.420 pessoas com idade para votar.

dsa-elr/fp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos