Desordem e roubos ameaçam saída política na Venezuela

Caracas, 16 Jun 2016 (AFP) - Comércios arrasados, ruas militarizadas e centenas de presos. Os roubos na cidade de Cumaná evidenciaram a onda de violência que está tomando as manifestações por alimentos na Venezuela, um fator que o governo atribui à oposição e que poderia radicalizar o presidente Nicolás Maduro.

"O balanço é de ruína total porque os comércios foram saqueados não somente em seus estoques, mas também em seu mobiliário. Foi uma destruição total", disse à AFP Rubén Saud, presidente da Câmara de Comércio de Cumaná, cidade costeira de 800.000 habitantes e a 400 km ao leste de Caracas.

Padarias, supermercados e serralherias foram destruídos na terça-feira, que começou como um protesto por comida, no qual motoristas inicialmente assaltaram caminhões com mantimentos, segundo testemunhas.

Banhada pelo mar do Caribe, Cumaná é o epicentro mais recente de manifestações pela severa escassez de alimentos, que em meados de maio começaram a se estender por várias regiões e em junho, particularmente, terminaram em violência.

Em Lagunilla, Estado de Mérida, no oeste do país, um jovem de 17 anos morreu na manhã desta quarta-feira em um hospital da cidade, onde deu entrada após ficar ferido durante distúrbios registrados na noite anterior envolvendo a falta de alimentos.

A vítima levou um tiro na cabeça durante enfrentamentos entre manifestantes e policiais e militares. Onze pessoas foram detidas durante os distúrbios, provocados durante o protesto por comida.

Segundo o Observatório Venezuelano de Conflito Social, nos primeiros cinco meses de 2016 foram registrados 254 roubos ou tentativas de roubo, sendo maio o mês de mais incidência, com 88 casos. A falta de alimentos básicos é de 80%, segundo a empresa Datanálisis.

Violência aumentandoUm homem de 42 anos morreu baleado quando circulava em um veículo por um dos lugares onde começou a manifestação em Cumaná, assinalou à AFP Estelin Kristen, dirigente da organização de direitos humanos local Incide, ainda que a Promotoria não tenha confirmado a morte.

Desde 6 de junho, ao menos outras três pessoas morreram durante confusões similares em Cariaco (Sucre, cuja capital é Cumaná), San Cristóbal (oeste) e Caracas, segundo as autoridades. Um militar e um chefe policial foram detidos pelos dois primeiros casos.

"A maioria destes roubos (em Cumaná) foram orquestrados por grupos motorizados. Depois chegou a população", assegurou Kristen. O governo de Sucre relatou 400 detidos.

Por conta do caos, a cidade foi militarizada, foi proibido o trânsito de motoristas durante 72 horas, as aulas foram suspensas e iniciaram racionamentos diários de eletricidade, indicou o ativista.

À medida que os protestos terminam em atos de vandalismo, o governo persiste em suas acusações contra a oposição, culpando-a de promover o caos para desestabilizá-lo e criar as condições para uma intervenção estrangeira.

Na terça-feira, o presidente Nicolás Maduro - enfrentando uma ofensiva opositora para tirá-lo do poder mediante um referendo revogatório - denunciou que seus adversários estão por trás da "violência 'bachaqueril'", em alusão às pessoas que fazem contrabando de alimentos básicos (os chamados 'bachaqueros') e que, em sua opinião, promovem as confusões.

Devido a isso, o presidente socialista, cuja gestão é criticada por sete em cada dez venezuelanos, segundo pesquisas, disse ter habilitado uma prisão especial para enviar os responsáveis.

Oitos pessoas foram detidas na terça no estado de Anzoátegui, acusadas de criar desordem, informou o governador regional, Nelson Moreno.

Comoção interna contra o revogatórioPara o cientista político Héctor Briceño, o aumento da violência "oferece um cenário oportuno ao governo" para decretar eventualmente a comoção interna e "impedir, assim, o referendo ou outro evento eleitoral", como os comícios regionais de fim de ano.

"O que contém uma explosão social generalizada é a possibilidade de que as pessoas possam se expressar através de mecanismos como o referendo. Não permiti-lo desencadearia uma situação muito dramática", comentou à AFP Rafael Uzcátegui, coordenador da organização de direitos humanos Provea.

Maduro advertiu que tem "pronto" um decreto de "comoção interna" no caso de desatarem ações "golpistas violentas", o que implicaria em restrições às liberdades civis.

A Venezuela vive uma emergência econômica e um estado de exceção desde o último 13 de maio, marco em que o governo implementou os CLAP (Comitês Locais de Abastecimento e Produção), que são grupos de civis que distribuem os alimentos porta a porta.

A oposição denuncia que essa estratégia aponta para abastecer os partidários do chavismo, mas inclusive não satisfaz às suas necessidades, em meio à severa crise econômica agravada pela queda da renda do petróleo.

"Com os CLAP, as pessoas perceberam que a escassez irá se agravar. Há incerteza, desassossego, é a partir do estado de exceção que estas ações (os roubos) dispararam", disse Uzcátegui.

No entanto, Briceño considera que cada vez se vê uma maior confluência entre as demandas sociais - como os alimentos - e as reivindicações políticas, após anos em que o chavismo desqualificou estas últimas, ao associá-los com a oposição.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos