Bancos americanos se preparam para uma catástrofe em caso de Brexit

Nova York, 21 Jun 2016 (AFP) - A dois dias do referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, os grandes bancos americanos se preparam para um cenário catastrófico que pode custar a eles bilhões de dólares.

Mesmo ante o ambiente volátil que predomina no Reino Unido, no exterior os bancos mantêm as aparências.

"Temos tudo totalmente sob controle", assegura Michael Duvally, porta-voz do Goldman Sachs, ao ser perguntando sobre como seu banco está se preparando para a possibilidade de vitória do Brexit na quinta-feira.

As respostas do Morgan Stanley e do Bank of America são idênticas.

No entanto, segundo fontes do setor do bancário que preferem falar sob anonimato, nos escritórios de Wall Street os advogados dos bancos trabalham praticamente em estado de alerta, avaliando cada opção.

A votação poderá afetar duramente a City de Londres, onde os bancos americanos fazem a maior parte de seus negócios nos 28 países da União Europeia.

Caso o "Brexit" se concretize, o Reino Unido perderá a grande vantagem de poder negociar livremente com os países da União Europeia, o que significará que os bancos já não poderão manejar de Londres todos os seus negócios, transações na Bolsa, empréstimos e outras atividades em países da UE.

Por ter sido demonstrado, nas recentes eleições britânicas, que as pesquisas de opinião são pouco confiáveis, os bancos não contam com esses resultados.

Em vez disso, advertem seus operadores na Bolsa que se preparem para um dia longo e agitado nos mercados financeiros durante a quinta e a sexta-feira.

O JPMorgan Chase já tem quartos de hotel reservados para seus operadores, perto de seus escritórios. E vários bancos confirmaram a criação de centros de serviços telefônicos para a comunicação com seus clientes.

"A quinta-feira será um dia agitado. Esperamos que se haja grandes transações", disse um banqueiro.

"Nossos clientes estão preocupados pelo o que acontecerá com a libra. O Forex (o mercado mundial de divisas) é a maior preocupação", acrescenta.

- Cortes em Londres -Os cinco grandes bancos americanos empregam mais de 40.000 pessoas em Londres, mais do que o resto da Europa.

Aproveitam a regulamentação que permite aos banqueiros oferecer seus serviços - desde assessorar fusões e aquisições a manejar capitais, empréstimos e operações - em toda a UE sem ter representação física em qualquer outro país do bloco.

"Uma saída do Reino Unido da UE poderá ser algo negativo para os bancos universais dos Estados Unidos já que os custos aumentariam e a atividade do mercado de capitais perderia em intensidade", escreveu recentemente um analista do banco de investimentos KBW em um informe, que garante que os bancos enfrentarão desafios importantes durante os próximos dois anos.

"Acreditamos que o Brexit seria o pior dos casos para as ações e para empresas relacionadas com a UE e o Reino Unido, já que o Brexit poderá causar temores de contágio e freio ao crescimento", aponta o informe.

Algumas fontes afirmam que os bancos americanos já estudam a possibilidade de abrir escritórios em Amsterdam, Dublin, Frankfurt e Paris.

Além disso, alguns deles já têm pequenas filiais no continente que poderão ser ampliadas. O Citigroup tem uma em Dublin e JPMorgan conta com escritórios em Frankfurt e Luxemburgo.

O diretor executivo do JPMorgan, Jamie Dimon, advertiu no início de junho que o banco poderia se ver obrigado a cortar até 25% de seu quadro de 16.000 funcionários no Reino Unido em caso de vitória do Brexit no referendo.

Fontes afirmam que o Goldman Sachs poderá transferir um quarto de seus 6.500 funcionários em Londres para fora do Reino Unido, e o Morgan Stanley, 1.000 de seus 6.000 funcionários a outros pontos da Europa.

Qualquer reorganização desse tipo representa um aumento nos custos. A KBW calcula que Morgan Stanley, por exemplo, poderia ter uma perda de 9% de sua receita em dois anos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos