Reino Unido faz último debate sobre referendo de saída da UE

Londres, 21 Jun 2016 (AFP) - A campanha do referendo sobre a permanência britânica na União Europeia (UE) terá nesta terça-feira o último debate, precedido pela advertência do investidor George Soros sobre um dia sombrio nos mercados em caso de Brexit.

Milhares de pessoas devem acompanhar nesta terça-feira no pavilhão da Wembley Arena de Londres o debate, organizado e transmitido pela BBC a apenas dois dias do referendo de 23 de junho.

O ex-prefeito de Londres Boris Johnson defenderá a saída da UE (opção conhecida como Brexit) em um debate com seu sucessor no comando da capital inglesa, o trabalhista Sadiq Khan.

O debate será entre equipes. Johnson terá a seu lado a deputada trabalhista Gisela Stuart e a ministra da Energia, Andrea Leadsom. Khan terá como companheiras a líder dos conservadores escoceses, a carismática Ruth Davidson, e Frances O'Grady, secretária-geral da Trades Union Congress, a grande confederação sindical.

O debate começará às 20H00 (16H00 de Brasília) e será a última grande oportunidade de convencer os indecisos, que superam 10% de acordo com as pesquisas.

A advertência mais recente veio do magnata George Soros, que fez uma fortuna ao apostar contra a libra em 1992. Ele previu uma "sexta-feira negra" nos mercados mundiais se o Brexit triunfar, assim como o empobrecimento dos britânicos.

"O valor da libra cairá de forma vertiginosa, pelo menos 15%", afirma o magnata americano de 85 anos em um artigo publicado no jornal The Guardian.

"A ironia, neste caso, é que uma libra valeria aproximadamente um euro, uma forma de 'unir-se ao euro' que ninguém desejaria no Reino Unido", completou Soros.

O investidor de origem húngara também adverte para a queda dos preços da habitação, perdas de postos de trabalho e uma eventual recessão.

As Bolsas e a libra perderam nesta terça-feira o estímulo das duas sessão anteriores, quando registraram altas expressivas graças à convicção de que a permanência na UE seria vitoriosa no referendo.

Na segunda-feira, uma pesquisa publicada pelo jornal Daily Telegraph mostrou 49% das intenções de voto para a permanência e 47% para a saída da UE. Uma sondagem do instituto YouGov para o Times mostra apoio de 44% ao Brexit e 42% para os partidários da continuidade.

Nas casas de apostas, no entanto, a permanência na UE vence de goleada, 78% a 22%.

- Beckham e 96 reitores pedem voto a favor da UE -A UE recebeu o apoio do ex-jogador de futebol David Beckham, que foi capitão da seleção inglesa, e que defendeu a permanência ao recordar sua passagem por Real Madrid, Milan e Paris Saint-Germain, assim como os colegas europeus de seu período no Manchester United.

O Manchester United teve "mais êxito graças a um goleiro dinamarquês, Peter Schmeichel, a liderança de um irlandês, Roy Keane, e a habilidade do francês Eric Cantona", escreveu em uma mensagem divulgada em sua página no Facebook.

"Vivemos em um mundo vibrante e conectado, no qual unidos somos mais fortes. Por nossos filhos e os filhos de nossos filhos deveríamos enfrentar os problemas do mundo juntos, e não sozinhos. Por estas razões, votarei a favor da permanência na UE", concluiu.

Beckham se une assim à escritora J.K.Rowling, o empresário Richard Branson e os atores Ian McKellen e Idris Elba na lista de personalidades a pedir voto a favor da UE. Do outro lado, os atores Michael Caine, John Cleese e o cantor Roger Daltrey pedem voto pela saída do bloco europeu.

Além disso, 96 reitores de universidades britânicas defenderam a permanência na UE.

"O isolamento do maior bloco econômico do mundo afetaria nossa posição como líder mundial em ciência e educação", afirmam em uma carta publicada pelo jornal The Independent.

O ministro espanhol da Economia, Luis de Guindos, criticou a decisão do primeiro-ministro David Cameron de organizar o referendo.

"É um erro, abrimos a caixa de Pandora", declarou na segunda-feira à noite.

"Estou convencido de que o Brexit não vai triunfar, estou convencido de que os britânicos serão racionais", completou.

Guindos pediu que a situação não se repita porque "pode ter efeitos em outros países nos quais o populismo avança de forma muito rápida".

O ministro disse que na própria convocação da consulta há um "componente de populismo". Para ele, se os britânicos optarem por sair da UE "seria um fracasso político" de Cameron.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos