Deputados pressionarão em Washington por sanções contra governo venezuelano

Caracas, 22 Jun 2016 (AFP) - Uma comissão do Parlamento venezuelano viajou a Washington para pressionar a OEA pela aplicação de sanções diplomáticas ao governo do presidente Nicolás Maduro, que denunciou a iniciativa como "traição à pátria".

Comandada pelo deputado Henry Ramos Allup, presidente da Assembleia de maioria opositora, a delegação buscará que o Conselho Permanente da OEA aplique a Carta Democrática Interamericana na Venezuela, segundo comunicado do Legislativo firmado nesta quarta-feira.

Essa questão será debatida na quinta-feira em uma sessão especial do Conselho Permanente da Organização de Estados Americanos (OEA).

A Carta Democrática prevê sanções em caso de uma ruptura constitucional.

"O senhor Ramos Allup (...) foi para Washington a fim de solicitar a intervenção da OEA na Venezuela. Isso se chama traição à pátria e eu peço uma posição unânime de rechaço a todo o país", disse Maduro nesta quarta diante de milhares de trabalhadores petroleiros em frente ao palácio presidencial de Miraflores.

O mandatário chamou seus seguidores para repudiarem na quinta, nas ruas, "esta conduta que não tem comparação na história da Venezuela".

A traição à pátria é considerada no país caribenho como crime, punido com prisão.

Ramos Allup partiu na terça em companhia de cinco congressistas, entre eles o titular da Comissão de Política Exterior, Luis Florido.

O presidente do Parlamento anunciou nos últimos dias que administraria um direito de palavra diante da OEA, mas o órgão não confirmou ainda essa possibilidade.

Na Venezuela "foi quebrada a ordem constitucional por parte do governo de Nicolás Maduro e não existem avanços de diálogo, o que merece com urgência que a OEA atue na crise institucional e humanitária", assinalou Florido, citado no boletim.

Durante a sessão de quinta-feira, o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, apresentará um informe sobre a crise política e de direitos humanos na Venezuela para os embaixadores dos 34 países-membros, que compõem o Conselho Permanente.

Se ao menos 18 nações votarem a favor, a OEA poderá tomar medidas diplomáticas para tratar de estabilizar a situação na Venezuela. Se considerarem que os esforços foram em vão, o país pode inclusive ser suspenso do órgão.

Venezuela quer melhorar relação com os EUAA Venezuela está interessada em melhorar a relação com os Estados Unidos e espera que o presidente Barack Obama "retifique" sua postura para avançar nesse objetivo, disse o presidente Nicolás Maduro após se reunir nesta quarta-feira com Thomas Shannon, enviado de Washington.

O mandatário conversou com Shannon durante um longo tempo no palácio presidencial de Miraflores. Sua intenção é "que mais cedo ou mais tarde" os dois governos possam construir uma "agenda de respeito".

Ao intervir em uma reunião com trabalhadores petroleiros, Maduro assegurou que enviou a mesma mensagem ao presidente Obama.

"Tomara que o presidente Obama retifique a postura que tem tido (...) contra a revolução bolivariana, e nos últimos sete meses de seu governo possamos transitar um caminho de diálogo, de respeito, com uma agenda positiva", indicou.

Shannon chegou na terça-feira à Venezuela a pedido do secretário de Estado, John Kerry, atendendo um convite do governo venezuelano, segundo Washington.

O diplomata deu continuidade aos contatos iniciados por Kerry e a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, no dia 14 de maio na República Dominicana.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos