Ministro do Interior espanhol é acusado de conspirar contra separatistas

Barcelona, 22 Jun 2016 (AFP) - A oposição espanhola exigiu nesta quarta-feira a renúncia do ministro do Interior, a poucos dias das eleições, por gravações feitas em 2014 em que parece utilizar o escritório anti-fraude para tentar incriminar partidos separatistas da Catalunha.

Em conversas publicadas na terça-feira pelo jornal Público, Jorge Fernandez Diaz e o diretor regional do escritório anti-fraude discutem sobre possíveis indícios de corrupção que poderiam ser usados contra os líderes políticos desta região ou seus familiares.

Esta informação agitou a campanha das eleições legislativas de domingo e toda a oposição exigiu a renúncia de Fernandez Diaz, ministro muito próximo do chefe do governo e do candidato conservador Partido Popular, Mariano Rajoy.

Fernandez Diaz diz em uma conversa que "o presidente do governo sabe" destas reuniões, embora os dois tenham negado nesta quarta-feira.

"Vemos um ministro do Interior que deveria proteger a todos usando seu cargo para investigar rivais políticos", criticou na televisão pública Pablo Iglesias, líder do partido anti-austeridade Podemos.

Assim como Iglesias, o candidato do partido socialista PSOE, Pedro Sanchez, exigiu sua renúncia por "perseguir adversários políticos". O mesmo fez o líder do partido de centro-direita Cidadãos, Albert Rivera.

Os dois sindicatos da Guarda Civil e da Polícia Nacional também pediram a sua renúncia por "uso de recursos do Estado para fins partidários absolutamente inaceitáveis".

As gravações são de duas reuniões entre Fernandez Diaz e Daniel Alfonso em outubro de 2014.

Este foi um momento de grande tensão entre o governo espanhol e as autoridades catalães que brigavam pela realização de um referendo simbólico sobre a independência em 9 de novembro do mesmo ano, apesar de uma proibição judicial.

Fernandez Diaz e seu interlocutor analisaram possíveis manchas do atual vice-presidente catalão Oriol Junqueras e de membros do governo do ex-presidente regional Artur Mas.

"O ministro me fez sugestões", reconheceu na terça-feira Alfonso à rádio Cadena Ser.

Na gravação, Alfonso afirma que os indícios são "fracos", mas o ministro rebate que podem causar danos políticos.

Fernández Díaz confirmou essas reunião, mas se declarou vítima de uma conspiração, assegurando se tratar de trechos "descontextualizados", e anunciou a abertura de uma investigação policial.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos