Empresários são acusados por lavagem de dinheiro na campanha de Cristina Kirchner

Buenos Aires, 23 Jun 2016 (AFP) - A justiça argentina abriu um processo nesta quinta-feira envolvendo ex-funcionários e empresários da indústria farmacêutica por suposta lavagem de dinheiro na campanha eleitoral de 2007 da ex-presidente Cristina Kirchner (2007-2015), informou um juiz.

"A investigação acabou demonstrando que parte do financiamento (para a campanha), sobretudo a que vinha de algumas farmácias, tinha origem ilegal, portanto é uma operação de lavagem de dinheiro", disse o juiz federal Ariel Lijo à Rádio Nacional.

"Não se pode demonstrar a origem lícita desses fundos, não havia capacidade econômica para os aportes feitos, e são acusados em outro caso, por tráfico de efedrina", explicou.

O valor das doações das três, farmácias citadas no caso chega a 886.000 pesos (aproximadamente 63.000 dólares).

Os ex-funcionários acusados são Héctor Capaccioli, ex-superintendente de Serviços de Saúde e membro da Mesa Executiva da Frente para a Vitória (FPV) e Sebastián Gramajo, ex-legislador pela cidade de Buenos Aires e responsável político da aliança kirchnerista, além de mais quatro empresários farmacêuticos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos