Vitória do Brexit derruba David Cameron e afunda os mercados

Londres, 24 Jun 2016 (AFP) - A decisão dos britânicos de sair da União Europeia (UE) provocou um terremoto que custou o cargo do primeiro-ministro David Cameron, afundou os mercados e ameaça desintegrar o Reino Unido.

Os sócios europeus lamentaram a decisão dos britânicos e pediram o início o mais rápido possível das negociações de separação, para as quais há um prazo de dois anos, com possibilidade de prorrogação.

"O Brexit é um golpe para a Europa", declarou a chanceler alemã, Angela Merkel, que convidou o presidente francês, François Hollande, o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, e o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, para uma reunião em Berlim na segunda-feira.

O presidente americano, Barack Obama, que afirmou durante a campanha que o Reino Unido deveria voltar às negociações comerciais com Washington se deixasse a UE, mostrou-se mais conciliador. "A relação especial entre os Estados Unidos e a Grã-Bretanha é duradoura", ressaltou.

O resultado, no entanto, representa o fim do governo Cameron, que anunciou sua intenção de deixar o cargo diante da vitória do Brexit no referendo de quinta-feira por 52% a 48%.

A renúncia do chefe de Governo será efetiva antes do congresso do Partido Conservador, em outubro.

"Eu não penso que seria correto tentar ser o capitão que orienta nosso país até até seu próximo destino", disse Cameron, visivelmente abalado, diante da residência oficial de Downing Street.

"Acredito que o novo primeiro-ministro é quem deve tomar a decisão de ativar o Artigo 50", afirmou, a respeito do Tratado Europeu de Lisboa, que abrirá o período de negociações para a ruptura.

O presidente russo, Vladimir Putin, viu neste resultado uma certa "atitude superficial" do governo de Cameron em assuntos "cruciais" para o país: "a organização deste referendo o e seus resultados são uma atitude presumida e superficial", ressaltou.

Lágrimas nas ruas de LondresOs vencedores estavam eufóricos. Com apenas um deputado no Parlamento, o líder do minúsculo Partido da Independência do Reino Unido (UKIP), Nigel Farage, se tornou o grande vencedor por ter conseguido centrar a campanha no tema imigração, o que mais lhe interessava.

Farage pediu que o 23 de junho seja declarado "Dia da Independência".

"Agora temos uma oportunidade gloriosa para aprovar nossas leis e fixar nossos impostos de acordo com as necessidades do Reino Unido", disse o conservador Boris Johnson, ex-prefeito de Londres.

A euforia dos "Brexiters" contrastava com as lágrimas de Francesca Crimp, funcionária de um banco.

"Estou assustada, votei pelo futuro do meu filho e agora me sinto muito insegura", lamentou.

"Esta cidade multicultural em que vivo mudará drasticamente, e o mundo não é mais o mesmo", disse.

"Vivo aqui há cinco anos e nunca tinha me sentido rejeitado, até hoje. É como se metade da população gritasse para nós que não nos valoriza", afirmou à AFP o português Carlos Velazquez, um dos 3 milhões de cidadãos europeus que vivem no país, de acordo com dados do final de 2015.

Efeito dominóCameron defendeu a ideia de convocação do referendo, o segundo na tortuosa relação entre Reino Unido e UE. Os britânicos votaram "sim" à permanência no bloco europeu em 1975.

"Temos uma democracia parlamentar, mas há momentos em que o correto é consultar a população", disse.

As consequências do resultado podem perdurar por muito tempo.

Assim, logo após o anúncio do resultado, a Espanha pediu imediatamente uma "soberania compartilhada" sobre Gibraltar.

Depois do anúncio, os independentistas escoceses anunciaram o início dos preparativos legais para a convocação de um segundo referendo de independência, enquanto o Sinn Fein irlandês também deseja que o Ulster possa votar para decidir uma união com a Irlanda.

Ao mesmo tempo, representantes da extrema-direita da França e da Holanda defenderam a ideia de referendos similares ao do Reino Unido.

O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, disse que a vitória do Brexit é algo "fantástico" e afirmou que existem semelhanças entre as campanhas.

"As pessoas querem recuperar seu país, querem a independência", afirmou.

Vários líderes separatistas catalães consideraram que o Brexit e um segundo referendo ma Escócia poderia lhes dar argumentos para exigir um referendo de independência.

Caos nos mercados"Um desastre f...", resumiu um corretor da Bolsa de Londres à AFP.

As bolsas europeias desabaram, a libra esterlina registrou a menor cotação em 30 anos e os investidores compravam títulos da dívida alemã, ameaçando com uma nova crise financeira na combalida Eurozona.

O Banco da Inglaterra se mostrou disposto a injetar imediatamente 250 bilhões de libras esterlinas em liquidez no mercado.

A saída forçará uma transferência de milhares de executivos da City de Londres para Frankfurt, Paris ou Dublin.

Nunca na história da UE um país havia votado para abandonar o projeto nascido nos anos 1950, das cinzas da Segunda Guerra Mundial.

Em jogo está o status legal de milhões de trabalhadores europeus no Reino Unido, de centenas de milhares de aposentados britânicos em países como Espanha, França ou Portugal.

O referendo histórico evidenciou uma brecha insuperável entre regiões, gerações e classes sociais britânicas. As grandes cidades votaram de maneira majoritária pela permanência, enquanto as zonas rurais optaram pela saída. Os jovens estavam dispostos a permanecer dentro de um bloco que possibilita liberdade de movimentação, mas os idosos só conseguiam enxergar uma invasão de imigrantes, 300.000 por ano, que deveria ser interrompida o mais rápido possível.

jz-al/fp/mr/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos