Brexit provoca terremoto na política britânica e Escócia intensifica pressão

Londres, 27 Jun 2016 (AFP) - O terremoto provocado pelo Brexit teve um impacto gigantesco na política britânica, com a intensificação da demanda por independência na Escócia e a explosão de uma revolta contra o líder trabalhista Jeremy Corbyn.

No plano diplomático, o secretário de Estado americano John Kerry visitará na segunda-feira Bruxelas e Londres para abordar as repercussões do Brexit.

"O Reino Unido pelo qual a Escócia votou em 2014 não existe mais", afirmou neste domingo Nicola Sturgeon, chefe do Governo regional da Escócia, em uma entrevista à BBC.

O segundo referendo de independência "é muito provável", destacou a líder escocesa, após a publicação de uma pesquisa que aponta 52% de apoio à secessão na Escócia.

"Meu desafio é decidir a melhor maneira de proteger os interesses da Escócia, como posso evitar que nos retirem da União Europeia contra a nossa vontade", explicou Sturgeon.

Sturgeon anunciou no sábado que vai evitar Londres e pedirá conversas diretas com Bruxelas e outros Estados membros para "proteger o espaço da Escócia" no bloco europeu, depois que os escoceses apoiaram em peso a permanência na UE, ao contrário do conjunto do país.

O histórico referendo britânico de quinta-feira terminou com a vitória dos partidários da saída, com 52% dos votos, contra 48% dos defensores da permanência.

Mas Escócia e Irlanda do Norte votaram em sua maioria a favor da UE.

Os escoceses votaram em 62% pela permanência e 38% contra a UE.

"Isto não vai ser uma reedição do referendo de 2014", disse Nicola Sturgeon, a respeito do referendo organizado pela Escócia, com autorização de Londres, no qual a permanência do país dentro do Reino Unido foi vitoriosa.

"O Reino Unido em que a Escócia votou em 2014 não existe mais. A realidade é que não há regras, não há precedentes".

"A independência não é meu ponto de partida neste assunto", disse Sturgeon, dando a entender que a prioridade é permanecer na UE.

Sturgeon pertence ao Partido Nacionalista Escocês, que chegou ao poder depois do referendo de 2014.

"O que acontecer daqui por diante deverá ser negociado" advertiu.

Irlanda do NorteNa Irlanda do Norte, a outra frente regional que se abre a Londres, o referendo teve vitória da permanência na UE, com 56% a 44%.

O líder unionista Ian Paisley Jr. sugeriu a seus seguidores que tirem o passaporte irlandês.

O gesto de Paisley é ainda mais simbólico porque seu falecido pai, Ian, foi um feroz líder pró-Londres durante os piores anos do conflito do Ulster.

"Meu conselho é que, se você tem direito a um segundo passaporte, o consiga", disse Paisley, deputado unionista em Londres.

O Brexit jogou sal nas feridas de Belfast, onde a divisão entre católicos e protestantes e a recordação de três décadas de violência continuam muito presentes.

Muitos nacionalistas, que apoiam uma Irlanda unida e que não se sentem britânicos, estão preocupados com a possibilidade de que o Brexit resulte no retorno ao controle direto de Londres, sem o contrapeso de Bruxelas.

Poucas horas depois do resultado do referendo, o partido nacionalista irlandês no Ulster, o Sinn Fein, afirmou que o Brexit justificava uma votação para que a Irlanda do Norte se unisse à República da Irlanda.

"Qualquer um, menos Boris"Mais de três milhões de pessoas assinaram uma petição que pede um segundo referendo sobre a permanência na UE, antes do Parlamento se reunir na segunda-feira, pela primeira vez desde a vertiginosa sequência da semana passada, que começou com a vitória do Brexit e terminou com a renúncia do primeiro-ministro conservador David Cameron, que será efetiva em outubro.

O Partido Conservador terá que escolher um novo líder e primeiro-ministro. Alguns setores já trabalham para afastar da disputa o ex-prefeito de Londres e líder da campanha do Brexit, Boris Johnson, em uma operação que a imprensa batizou de "Qualquer um, menos Boris".

"Boris tem que demonstrar que além de bom político é um bom estadista", disse o deputado conservador Malcom Rifkind, que foi integrante dos gabinetes de Margaret Thatcher e John Major.

A mais cotada para superar Johnson é a ministra do Interior, Theresa May, que era favorável à UE, mas que não se comprometeu durante a campanha.

"May tem de longe muito mais experiência, foi ministra nos últimos seis anos e com muito sucesso", completou Rifkind, entrevistado pela BBC.

Revolta aberta contra CorbynNa oposição, o Partido Trabalhista foi abalado neste domingo por uma rebelião contra seu líder Jeremy Corbyn, que provocou onze demissões.

A crise explodiu depois que Corbyn, criticado por um fraco desempenho na campanha contra o Brexit, demitiu o porta-voz das Relações Exteriores do partido, Hilary Benn, que buscava apoios a uma moção de censura apresentada por duas deputadas e que será debatida na segunda-feira.

"Está muito claro que existe uma grande inquietação entre os deputados trabalhistas e do gabinete à sombra a respeito da liderança de Jeremy Corbyn", afirmou Benn em um comunicado.

Filho do histórico dirigente trabalhista Tony Benn, Hilary Benn é considerado por muitos setores como a pessoa que poderia salvar o partido de uma terceira derrota consecutiva nas eleições legislativas.

"Em particular, não há confiança de que seremos capazes de vencer as próximas eleições se Jeremy continuar como líder", completou.

As eleições estão previstas para 2020, mas podem acontecer antes do esperado depois do Brexit.

Corbyn é criticado por não ter conseguido ou não ter sequer tentado convencer o núcleo duro do eleitorado operário do trabalhismo. De acordo com os números, 37% dos trabalhistas votaram pelo Brexit, desafiando a linha oficial do partido.

Corbyn respondeu que apesar de tudo não está disposto a renunciar.

"Lamento as dimensões que houve hoje em meu governo. Mas não vou trair a confiança daqueles que votaram em mim, nem a de milhões de simpatizantes de todo o país que precisam que o Partido Trabalhista os represente", declarou Corbyn em um comunicado.

Reação da UEO presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, pediu ao primeiro-ministro David Cameron que inicie o processo de saída da UE na terça-feira, durante uma reunião de cúpula europeia.

Mas um alto funcionário europeu afirmou neste domingo que o premier britânico não deve ativar esta semana a cláusula de saída.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos