Direita de Rajoy sai fortalecida de eleições legislativas na Espanha

Em Madri

  • Cesar Manso/AFP

    Cédulas de votação são recolhidas em seção eleitoral em Moncloa-Aravaca, em Madri, na Espanha

    Cédulas de votação são recolhidas em seção eleitoral em Moncloa-Aravaca, em Madri, na Espanha

O Partido Popular, do primeiro-ministro conservador Mariano Rajoy, ganhou as legislativas celebradas neste domingo (26) na Espanha, com 32,68% dos votos, seguido pelos socialistas do PSOE, segundo resultados definitivos. O PP, entretanto, não obteve maioria absoluta, como ocorreu em dezembro.

Os espanhóis foram convocados às urnas pela segunda vez em seis meses para romper o bloqueio político na quarta maior economia da Eurozona, com um governo interino há seis meses. Os resultados oficiais voltam a apontar para uma grande fragmentação política, em que a coligação de esquerda Unidos Podemos não conseguiu finalmente superar os socialistas.

O PP saiu como único beneficiado: após ter renunciado a formar um governo depois das últimas eleições por falta de apoio, Rajoy conseguiu que seu partido passasse de 123 para 137 cadeiras na Câmara dos Deputados, que tem um total de 350 assentos.

Nas primeiras eleições na Europa após a vitória do Brexit, o PP encerrou sua campanha apresentando-se como garantia de estabilidade diante dos desafios trazidos pela saída do Reino Unido da União Europeia.

"Reivindicamos o direito de governar justamente porque ganhamos as eleições", disse Rajoy da sede de seu partido em Madri, onde uma multidão carregava bandeiras azuis, a cor do partido, gritando "Campeões, campeões!". Apesar dos vários casos de corrupção envolvendo seu partido, Rajoy, de 61 anos, venceu defendendo seu balanço econômico.

Os conservadores, no poder desde 2011, afirmam que suas políticas conseguiram tirar a Espanha da prolongada recessão, com direito a um crescimento de 3,2% em 2015, mas com duras medidas de austeridade e com a reforma do mercado de trabalho.

A taxa de desemprego no país baixou seis pontos, embora continue sendo extremamente elevada, de 21% - a maior da Europa atrás apenas da Grécia. "Voto em Rajoy porque prefiro um mal conhecido do que um mal desconhecido", disse à AFP Luis Fernández, assistente social de 37 anos que votou no popular bairro madrilenho de Lavapiés.

No entanto, dessa vez o PP fica distante da maioria absoluta e precisará buscar aliados para formar governo.

Decepção no Podemos

Os conservadores sem dúvida buscarão o apoio do Partido Socialista Obrero Español (PSOE), que ficou em segundo lugar, com 85 cadeiras. Trata-se de um recuo em comparação aos 90 deputados eleitos de dezembro e de seu pior resultado desde a redemocratização da Espanha em 1978.


Seu líder Pedro Sánchez, de 44 anos, já afirmou algumas vezes que não votará por um governo conservador, mas a situação política pode levá-lo a permitir com sua abstenção um Executivo do PP em minoria.

"Apesar dos augúrios que anunciavam insistentemente (...) a perda de nossa relevância para a vida coletiva de nosso país, o partido socialista voltou a reafirmar sua condição de partido hegemônico", afirmou. Apesar da redução no número de cadeiras, Sánchez conseguiu evitar uma ameaça maior: que a coligação Unidos Podemos lhe tomasse a liderança da esquerda.

Liderada por Pablo Iglesias, de 37 anos, essa coligação -formada pelo partido anti-austeridade Podemos, os eco-comunistas do Izquierda Unida e por pequenas formações regionais- conseguiu eleger 71 deputados, exatamente como em dezembro.

Após anos de duros cortes em políticas sociais que fizeram a desigualdade disparar, muitos espanhóis achavam que a coligação ganharia poder para questionar, junto com outras esquerdas europeias, a austeridade da UE.

No entanto, suas aspirações foram frustradas: juntos perderam mais de um milhão de votos em relação a dezembro e, assim, a mudança prometida terá que esperar. "Não estamos satisfeitos com os resultados, tínhamos outras expectativas", reconheceu Iglesias em coletiva de imprensa.

"É o momento de refletir", admitiu.

"Negociar e pactuar"

O principal perdedor foi liberal Ciudadanos, de Albert Rivera, 36 anos, a outra formação emergente que junto com Podemos chegou ao Parlamento em dezembro. O partido passou de 40 para 32 cadeiras. Esse resultado requer uma nova negociação a partir de segunda-feira.

"Espero que façam melhor desta vez e sejam capazes de deixar de egoísmo e formar um governo", disse à AFP Justina Zamora, aposentada de 65 anos, após votar nos socialistas na província de Barcelona.

"Que sejam obrigados a negociar e pactuar", desejou também Cristina Jiménez, professora de 38 anos, lembrando que o fragmentado parlamento eleito em dezembro não conseguiu formar um governo, provocando as novas eleições deste domingo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos