Empresários britânicos começam a sentir o peso do Brexit

Londres, 27 Jun 2016 (AFP) - O impacto do Brexit continuou causando estragos nos mercados e na libra esterlina nesta segunda-feira, quando empresários britânicos e investidores já começam a calcular o custo dessa aventura.

Às 09H00 GMT (06H00 horário de Brasília) Londres já registrava perdas. As ações do ramo imobiliário, das companhias aéreas e bancário foram os mais afetados.

A Easyjet caiu 16% após emitir uma advertência sobre seus resultados, e o IAG, consórcio de British Airways e Iberia, recuou em 9,36%.

O Royal Bank of Scotland teve queda de 15%, o Lloyds Banking Group de 8,89%, e o Barclays de 10,23%.

A libra esterlina registrou no meio da manhã seu pior patamar dos últimos 30 anos, batendo o recorde precedente de sexta-feira, a 1,3222 em relação ao dólar. Em relação ao euro registrou o menor valor em dois anos, a 83,26 pences por euro.

O governo de David Cameron declarou que a economia é forte e que poderá enfrentar a tempestade financeira, e que a saída oficial da União Europeia só acontecerá com as negociações para determinar o futuro.

"Só o Reino Unido pode ativar o artigo 50 (sobre a saída de um Estado-membro da UE). Na minha opinião, devemos fazer isso quando tivermos uma clara visão dos novos acordos com nossos vizinhos europeus", explicou em um discurso na sede do Tesouro britânico o ministro das Finanças, George Osborne.

No entanto, é justamente essa incerteza que provoca calafrios entre os presidentes de grandes companhias e fundos de investimento.

"Osborne não parece ter um rumo claro", comentou à AFP Joe Rundle, chefe de investimento da ETX Capital.

"A situação pode mudar muito rapidamente. Cabe esperar altos níveis de volatilidade nos próximos dias e semanas", acrescentou.

- Deslocamentos e incerteza -Um quinto dos dirigentes empresariais britânicos prevê deslocar uma parte de suas atividades, enquanto que dois terços considera que o Brexit é negativo para seus negócios, segundo os resultados de uma pesquisa nesta segunda-feira.

Durante o fim de semana passado, enquanto a população britânica digeria o resultado do referendo, a federação de empresários britânicos, o Instituto de Diretores (IoD) lançou uma pesquisa entre mais de mil de seus membros.

A pesquisa aponta que 64% desses dirigentes acha que a saída do Reino Unido da União Europeia será "negativa para sua atividade".

Um quarto dos entrevistados (24%) prevê congelar contratações e mais de um quinto (22%) estuda deslocar certas operações.

"A maioria das empresas acha que o Brexit será negativo, e seus projetos de investimento e contratações ficam paralisados", comentou Simon Walker, diretor-geral do Instituto.

A diretora-geral da maior organização patronal britânica (CBI), Carolyn Fairbairn, afirmou em uma coluna no jornal Times que o impacto da decisão de Brexit "não deve ser subestimada".

"o governo deve atuar com urgência para minimizar a incerteza que pesa sobre as decisões de investimento, que freiam por sua vez a geração de empregos", disse Fairbairn.

bur-jz/me/cc

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos