EUA, México e Canadá reforçam Nafta em contraponto a Trump

Ottawa, 29 Jun 2016 (AFP) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o do México, Enrique Peña Nieto, reafirmaram nesta quarta-feira sua unidade de objetivos, diante da ameaça do virtual candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, de deixar o acordo de livre-comércio que os une ao Canadá.

"Ouvimos muito com frequência propostas que ignoram a importante contribuição dos mexicano-americanos e a força das nossas relações com o México", afirmou Obama, sem mencionar Trump.

Na abertura da cúpula dos "três amigos" organizada pelo primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, Peña Nieto advertiu: "o isolacionismo não é o caminho para o progresso".

"Somos vizinhos, somos amigos, e essa amizade é baseada em uma forte cooperação e trabalho em equipe", insistiu, anunciando que visitará a Casa Branca em breve.

Na terça-feira (28), Trudeau alertou contra a tentação da "saída" e do "protecionismo", que afeta o crescimento econômico.

Quase que simultaneamente, na Pensilvânia, Trump afirmava que pensa em renegociar o Acordo de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês), o qual vincula Estados Unidos, Canadá e México desde 1994.

Para Trump, que prometeu erguer um muro na fronteira com o México, esse tratado é a fonte de todos os males dos trabalhadores americanos.

"Se (Canadá e México) não quiserem renegociar (...), então manifestarei que os Estados Unidos têm a intenção de se retirar do acordo", prometeu Trump.

Mudança climáticaOs três países anunciaram, em Ottawa, o objetivo de redobrar seus esforços para enfrentar a mudança climática.

"Os três amigos" dizem ter um objetivo comum para a América do Norte: até 2025, garantem, 50% da eletricidade gerada proverá de energias limpas. Em 2015, a parte de eletricidade proveniente dessas fontes foi de 37%.

"O acordo de Paris foi uma virada para nosso planeta", disseram os líderes americanos em um comunicado conjunto.

A nota ressalta que a América do Norte tem "a capacidade e os recursos" para dar provas de sua liderança nesse tema.

Os três reafirmaram seu compromisso de ratificar ainda este ano os acordos alcançados em dezembro passado em Paris e pediram a todos os países que façam o mesmo.

O México já aderiu ao compromisso assumido por Estados Unidos e Canadá de reduzir em dez anos entre 40% e 45% as emissões de metano, causadoras do efeito estufa que aquece o planeta.

A cúpula de Ottawa acontece seis dias depois do terremoto causado pela decisão do referendo britânico pela Brexit.

Depois do pronunciamento britânico, Obama tenta tranquilizar os americanos e os mercado sobre as consequências do Brexit, contra o qual lançou várias advertências durante sua passagem por Londres em abril.

Considerando que houve "um pouco de histeria" após o anúncio dos resultados, Obama reafirmou ontem (28) que não espera "mudanças catastróficas".

O presidente americano discursará ainda nesta quarta-feira no Parlamento canadense.

Em relação ao Nafta, a Casa Branca estima que a comparação com os sobressaltos com a construção europeia não é pertinente.

"Os países na América do Norte adotaram uma estratégia diferente que nos deu bons resultados", afirmou o porta-voz de Obama, Josh Earnest.

"É uma estratégia que beneficiou a economia e a segurança nacional de todos nossos países", defendeu.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos