Irã se manifesta contra Israel no "Dia de Jerusalém"

Teerã, 1 Jul 2016 (AFP) - Dezenas de milhares de iranianos protestaram nesta sexta-feira em Teerã contra Israel e em solidariedade aos palestinos no tradicional "Dia de Jerusalém", durante o qual um general ameaçou o Estado de Israel com uma chuva de mísseis.

"Graças a Deus, a capacidade de destruir o regime sionista existe mais do que nunca. Só no Líbano, há 100.000 mísseis prontos para serem disparados", afirmou em um discurso particularmente virulento o general Hossein Salami, número dois da Guarda Revolucionária, exército de elite do regime islâmico, aos manifestantes que participaram nas orações de sexta-feira.

Ele estava se referindo aos mísseis do Hezbollah, o poderoso movimento xiita libanês financiado e armado por Teerã e inimigo de Israel, que faz fronteira com o Líbano.

A retórica anti-israelense remonta à Revolução Islâmica de 1979 no Irã, que não reconhece a existência de Israel e apoia os movimentos armados palestinos.

Durante todo o dia, instaurado pelo aiatolá Khomeini ao triunfar a revolução, são queimadas, como todos os anos, bandeiras israelenses e americanas, e entoadas palavras de ordem contra a Grã-Bretanha, Arábia Saudita e grupos extremistas como o Estado Islâmico (EI).

O Irã ainda considera os Estados Unidos, grande aliado de Israel, como seu principal inimigo, apesar de uma reaproximação tímida em favor do programa nuclear iraniano.

Por outro lado, o Irã, xiita, e a Arábia Saudita, sunita, são os dois maiores rivais no Oriente Médio e acusam-se mutuamente de alimentar os conflitos regionais, principalmente na Síria e Iêmen, onde ambos os países apoiam forças opostas. an-er/sgh/tp/aoc/es/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos