Israel aprova 560 novas casas em colônia da Cisjordânia

Jerusalém, 5 Jul 2016 (AFP) - Israel aprovou a construção de 560 novas casas na colônia de Maale Adumim, na Cisjordânia ocupada, anunciou nesta segunda-feira à AFP o porta-voz do assentamento, que fica ao leste de Jerusalém.

Maale Adumim, a leste de Jerusalém, foi criada em 1975 e conta atualmente com mais de 37 mil habitantes.

Em Ramallah, sede da Autoridade Palestina, o chefe negociador palestino Saëb Erakat qualificou a medida de "verdadeira ocupação, que mina as esperanças de uma solução de dois Estados", um palestino e outro israelense.

O prefeito de Maale Adumim foi informado no domingo à noite sobre a decisão do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e de seu ministro da Defesa, Avigdor Lieberman.

Netanyahu também aprovou um projeto de 240 novas casas nas colônias de Jerusalém Oriental, a parte de maioria árabe da cidade, e autorizou ainda a construção de 600 casas para os palestinos em Beit Safafa, um bairro árabe da cidade.

Cerca de 570.000 colonos vivem atualmente na Cisjordânia e Jerusalém Leste.

A comunidade internacional considera ilegal a colonização, ou seja, a construção de moradias para civis israelenses em territórios palestinos ocupados ou anexados desde 1967.

O Quarteto internacional publicou há alguns dias um relatório pedindo a israelenses e palestinos que desistissem respectivamente da colonização e violência, que, segundo eles, minam as possibilidades de alcançar a paz.

O Quarteto é formado por Estados Unidos, Rússia, União Europeia e Nações Unidas.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, "criticou fortemente" a iniciativa israelense e disse que está "muito decepcionado" que isto ocorra apenas quatro dias após o apelo do Quarteto.

Esta iniciativa "dá margem a perguntas legítimas sobre as intenções de Israel a longo prazo, assim como as repetidas declarações de certos ministros que exigem a anexação da Cisjordânia", acrescentou Stéphane Dujarric, porta-voz de Ban Ki-moon.

A França condenou a decisão de Israel estimando que "nenhum fato sobre o terreno pode justificar este tipo de medida", segundo sua chancelaria.

- Medidas de represália -A decisão de aprovar estas novas construções responde aos pedidos para que Israel desse uma resposta contundente à série de ataques de palestinos nos últimos dias na Cisjordânia.

Uma adolescente israelense americana de 13 anos foi morta por um palestino na colônia de Kyriat Arba, perto de Hebron, na Cisjordânia. Além disso, um colono de 18 anos foi assassinado por um palestino que abriu fogo contra seu carro no sul de Hebron. Os dois crimes aconteceram na semana passada.

Em resposta, as autoridades israelenses tomaram várias medidas de represália, incluindo o bloqueio de Hebron e a redução das transferências de impostos à Autoridade palestina.

Os Territórios Palestinos, Israel e Jerusalém são alvo desde outubro de uma onda de violência que cobrou a vida de 214 palestinos, 34 israelenses, dois americanos, um eritreu e um sudanês, segundo contagem da AFP.

O governo israelense votou em 19 de junho uma ajuda especial de 16 milhões de euros às colônias na Cisjordânia ocupada em resposta à deterioração da segurança no local.

Dias antes, o ultranacionalista Avigdor Lieberman, conhecido por suas declarações anti-árabes, entrou para o governo como ministro da Defesa.

Sua nomeação causou preocupação na comunidade palestina. A Autoridade palestina a considera "uma verdadeira ameaça instabilidade e extremismo na região".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos