Protestos na Louisiana por novo caso de violência policial contra um negro

Washington, 6 Jul 2016 (AFP) - A polícia da Louisiana matou a tiros um afro-americano que vendia CDs piratas na porta de uma loja de conveniências, desatando protestos em mais um caso de suposta violência policial nos Estados Unidos.

Os protestos surtiram efeito quase imediato e o governador do estado, John Bel Edwards, anunciou que o caso será alvo de um investigação federal sobre direitos civis.

Um vídeo gravado por testemunhas e postado na internet mostra um policial correndo atrás de um homem negro na madrugada de terça-feira, antes que outro policial o ajudasse a jogar o suspeito no chão e disparasse contra ele à queima-roupa quatro vezes. Os policiais aparentam ser caucasianos.

"Atiraram nele? Desgraçados, meu Deus!", grita a testemunha no vídeo.

A polícia de Baton Rouge, a capital da Louisiana, identificou o homem atacado como Alton Sterling, de 37 anos, e afirmou que os dois policiais tentaram fazer contato com ele no estacionamento da loja de conveniências.

Eles teriam ido ao local após a central receber uma denúncia de uma pessoa que afirmava ter sido ameaçada por um homem armado.

"Houve uma discussão entre Sterling e os oficiais. Sterling foi baleado durante a discussão e morreu no local", informa a polícia em seu Facebook, acrescentando que os procedimentos normais foram seguidos e que os dois policiais envolvidos foram colocados em licença administrativa.

- Mãos ao alto -Cerca de 100 pessoas, incluindo amigos e parentes de Sterling, protestaram junto à loja e bloquearam as ruas adjacentes.

Os manifestantes exibiam cartazes com dizeres como "A vida dos negros não importam" e "Justiça para Alton".

O congressista democrata Cedric Richmond, que representa o distrito de Louisana, chegou a pedir que o departamento de Justiça dos Estados Unidos iniciasse uma investigação transparente do incidente.

"O vídeo do tiroteio é profundamente preocupante", observou.

"Há várias interrogações sem resposta em torno da morte do senhor Sterling, incluindo perguntas sobre a ligação inicial pedindo a presença da polícia, o nível de força usado pelos oficiais, a discussão verbal e física e a atuação dos policiais depois que ele foi baleado", indica o legislador em um comunicado.

O dono da loja de conveniências Triple S, Abdullah Muflahi, afirmou ao jornal local The Advocate que as testemunhas viram os policiais depois do tiroteio retirar uma arma do bolso de Sterling, mas que ele não havia mostrado arma alguma durante a discussão.

"Realmente houve muita agressividade contra ele desde o início", observou o comerciante, acrescentando que os policiais pareciam "estar fora de si" depois do incidente.

Muflahi indicou ainda que ouviu um dos policiais dizer ao colega: "Deixa ele".

"A principal agência que conduzirá a investigação deste tema será a divisão de direitos civis do departamento de Justiça do escritório do procurador geral e FBI", afirmou o governador Edwards à imprensa.

"Temos plena confiança de que este assunto será investigado plena, imparcial e profissionalmente, e hoje vou exigir que seja conduzido dessa maneira", acrescentou.

O grupo de direitos civis Black Lives Matter (As vidas dos negros importam), referência de muitos casos do tipo na Louisiana, por sua vez, tuitou: "Já basta. #AltonSterling".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos