Departamento de Estado reabrirá investigação sobre e-mails de Hillary

Em Washington

  • Justin Sullivan/Getty Images/AFP

    Outro Departamento, o de Justiça, decidiu arquivar o caso envolvendo o uso indevido dos e-mails por Hillary

    Outro Departamento, o de Justiça, decidiu arquivar o caso envolvendo o uso indevido dos e-mails por Hillary

O Departamento de Estado dos Estados Unidos anunciou, nesta quinta-feira (7), que reabrirá a investigação interna sobre o uso indevido de e-mails envolvendo a ex-secretária e atual candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton.

"Tentaremos fazer o mais rápido possível, mas não vamos estabelecer prazos artificiais", disse o porta-voz da pasta, John Kirby, acrescentando que a investigação interna é possível mesmo após o encerramento do inquérito do Departamento de Justiça, que decidiu arquivar o caso.

"O objetivo é ser o mais transparente possível em nossas conclusões e respeitar nossas obrigações legais", declarou Kirby.

A procuradora-geral dos Estados Unidos, Loretta Lynch, anunciou na quarta-feira o encerramento do caso dos e-mails de Hillary sem a apresentação de acusações.

Antes, o FBI havia recomendado o encerramento do caso, alegando não haver motivo para apresentar uma acusação penal contra a ex-primeira-dama.

Durante sua gestão à frente do Departamento de Estado entre 2009 e 2013, a aspirante presidencial utilizou servidores e uma caixa de e-mail privada para gerenciar assuntos oficiais.

Apesar de o anúncio ter tirado um grande peso de cima da candidata, o diretor do FBI (a Polícia Federal americana), James Comey, disse que Hillary Clinton e sua equipe foram "extremamente descuidadas" ao lidar com informações secretas e reservadas.

Os republicanos, e em particular o candidato Donald Trump, criticaram duramente a decisão de encerrar o caso.

Hoje, Comey defendeu energicamente sua decisão diante do Congresso, insistindo em que Hillary não violou a lei ao utilizar servidores privados de e-mail durante sua gestão.

Em audiência que durou cerca de cinco horas, James Comey foi questionado duramente pelos legisladores republicanos. Eles alegam que a ex-secretária de Estado recebeu tratamento preferencial.

"Como eu disse, vejo evidências de grande negligência, mas não vejo evidência suficiente para estabelecer que a secretária Clinton e os interlocutores, com os quais ela discutiu informação confidencial por correio eletrônico, sabiam que o que estavam fazendo era contra a lei", defendeu.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos