Ex-prefeitos ruandeses condenados por genocídio recorrem da sentença

Paris, 7 Jul 2016 (AFP) - Os dois ex-prefeitos ruandeses condenados à prisão perpétua pela justiça francesa por sua participação no genocídio tutsi em 1994 irão recorrer da sentença, anunciaram nesta quinta-feira (7) à AFP seus advogados.

"É claro, vamos recorrer a condenação", afirmaram os advogados Françoise Mathe e Philippe Meilhac.

Após um julgamento que durou dois meses, Tito Barahira, de 65 anos, e Octavien Ngenzi, de 58, foram condenados por "crimes contra a humanidade", "genocídio" e por "praticar de maneira massiva e sistemática execuções sumárias" aplicando um "plano com o objetivo de destruir o grupo étnico tutsi" quando governavam a localidade de Kabarondo, no leste de Ruanda.

Trata-se da segunda vez que a justiça francesa se pronuncia em um caso relacionado ao genocídio ruandês, após a condenação de 25 anos de prisão em 2014 do ex-capitão do exército, Pascal Simbikamgwa.

Na França existem 26 casos sobre o genocídio de Ruanda em fase de instrução.

Os advogados de Barahira e Ngenzi denunciaram um processo realizado de "maneira caótica", com "um acúmulo de testemunhas" nos quais foi priorizada "a quantidade em detrimento da qualidade", e lamentaram que os acusados tenham sido "excluídos dos debates, tratados como convidados indesejáveis em seu próprio julgamento".

No momento de conhecer o veredicto foi feito silêncio na sala diante da dureza da pena: Théoneste Bagosora, considerado o ideólogo do extermínio tutsi e declarado culpado de genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade pelo Tribunal Penal Internacional para Ruanda (TPIR), recebeu uma condenação de 35 anos de prisão.

sb/fff/mw/dab/aoc/lmm./cb/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos