Paquistão se despede de Edhi, símbolo da luta contra a pobreza

Karachi, 9 Jul 2016 (AFP) - O Paquistão se despediu neste sábado de Abdul Satar Edhi, um símbolo da luta contra a pobreza, que fundou um império de organizações beneficentes, em um país que carece de uma rede de proteção social eficaz.

Edhi, de 92 anos, morreu na sexta-feira devido a uma insuficiência renal.

O primeiro-ministro, Nawaz Sharif, anunciou um dia de luto nacional e decretou a organização de um funeral de Estado para Edhi, que foi proposto em várias ocasiões para o prêmio Nobel da Paz.

Desde o início da tarde, uma multidão se reuniu no estádio de críquete de Karachi, onde foi realizado o funeral.

"Todo o nosso país está de luto (...). Temos o mesmo sentimento de quando Muhamad Ali Jinah [fundador do Paquistão] morreu e toda a nação ficou órfã", declarou à AFP Rashid Awan, que compareceu à homenagem.

Atualmente cerca de 5.700 pessoas moram em casas da fundação Edhi, que acolhe crianças e idosos abandonados, mulheres vítimas de maus-tratos, pessoas com deficiência e dependentes de drogas.

O caixão de Edhi, coberto com a bandeira verde e branca do Paquistão, foi transportado em um veículo militar para o estádio.

Durante o funeral, os presentes jogaram pétalas de rosa no caixão e prestaram honras militares.

Depois, foi trasladado a sua localidade natal, nos arredores da cidade, onde será enterrado no lugar que escolheu há 25 anos, disse sua família à AFP.

Edhi abriu maternidades, necrotérios, orfanatos, asilos e residências de aposentados em todo o país. Sua frota de 1.500 ambulâncias, conhecidas por sua eficácia nos lugares de atentados, se converteu no símbolo da Fundação Edhi.

kf-ks/ahe/abk/an/tjc/db

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos