Erdogan afirma que permanece no poder

Istambul, 16 Jul 2016 (AFP) - O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, garantiu neste sábado que permanece no poder, após uma tentativa de golpe militar deflagrada na sexta-feira.

"Há na Turquia um governo e um presidente eleito pelo povo, e seu Deus quiser, vamos superar este desafio", disse Erdogan ao convocar os "milhões" de turcos a ocupar as ruas para defender a Nação.

"Os que vieram nos tanques serão capturados porque estes tanques não lhes pertencem", afirmou o presidente durante coletiva concedida no aeroporto de Istambul.

No mesmo aeroporto de Atatürk, onde foi recebido por uma multidão que agitava bandeiras turcas, Erdogan acusou de "traição" o imã radicado nos Estados Unidos Fethullah Gülen, por promover o golpe militar.

Mais cedo, o grupo ligado ao clérigo Gulen condenou a tentativa de golpe, afirmando que "por mais de 40 anos, os participantes do Fethullah Gulen e Hizmet têm defendido e manifestado seu compromisso com a paz e a democracia".

"Temos denunciado consistentemente intervenções militares na política doméstica. Estes são valores centrais dos participantes do Hizmet. Condenamos qualquer intervenção militar na política doméstica da Turquia", acrescentou a Aliança por Valores Compartilhados, sediada nos EUA.

Na mesma entrevista, Erdogan revelou que o hotel onde estava de férias em Marmaris, um balneário do sudoeste da Turquia, foi bombardeado após sua partida.

O primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, ordenou que as forças armadas abatam os aviões e helicópteros que estão em poder dos militares "golpistas".

"Os aviões de combate decolaram da base de Eskisehir", no oeste da Turquia, para enfrentar os aparelhos rebeldes, disse um funcionário.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos