Militares turcos que fugiram para a Grécia serão julgados por entrada ilegal no país

Alexandrópolis, Grécia, 17 Jul 2016 (AFP) - Os oito soldados turcos que fugiram no sábado para a Grécia em um helicóptero militar serão julgados por entrada ilegal no território grego e violação do espaço aéreo, informou uma advogada do grupo neste domingo.

Os oito soldados, que pediram asilo na Grécia, aterrissaram no sábado no aeroporto de Alexandroupoli, no norte da Grécia, perto da fronteira com a Turquia, após o envio de um sinal de socorro.

As oito pessoas foram detidas e deverão comparecer no tribunal na segunda-feira, segundo a advogada Ilia Marinaki.

Os oito soldados, incluindo dois comandantes, insistem que não participaram na tentativa de golpe contra o presidente Recep Tayyip Erdogan, e que fugiram para a Grécia "quando policiais começaram a atirar contra eles".

Os militares, todos com cerca de 40 anos e casados, estão preocupados com suas vidas e com a de suas famílias, disse a advogada.

No sábado, o governo turco pediu às autoridades gregas a extradição dos oito.

Erdogan falou por telefone com o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras, segundo fontes do governo grego.

Erdogan agradeceu o apoio da Grécia, que rapidamente se manifestou contra o golpe e em favor do governo turco "eleito democraticamente".

Já Tsipras informou que o procedimento relativo aos militares será rápido, mas respeitando o direito internacional e os direitos humanos.

A análise do pedido de asilo pode levar duas semanas, segundo um comunicado do governo.

No domingo de manhã, a força aérea turca recuperou o helicóptero Black Hawk usado pelos militares para viajar para a Grécia.

str-kan/lsb/alc.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos