Bairros rebeldes de cidade síria de Aleppo completamente cercados pelo exército

Alepo, Síria, 17 Jul 2016 (AFP) - O exército sírio cercou "completamente" os bairros rebeldes de Aleppo, depois de tomar, neste domingo, a última rota de reabastecimento da cidade, aumentando os temores de um desastre humanitário.

A tomada desta estrada, chamada Castello, era uma das prioridades do regime de Bashar al-Assad. A ação permite isolar os combatentes insurgentes que controlam metade da segunda maior cidade do país desde 2012.

Cerca de 300.000 pessoas, segundo a ONU, vivem em condições cada vez mais precárias nas áreas rebeldes do leste, completamente isoladas dos bairros a oeste, controlados pelo regime.

Depois de semanas de combates, "os combatentes do regime estão agora na estrada Castello", localizada a noroeste de Aleppo, indicou Rami Abdel Rahman, diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Eles "cortaram completamente a estrada", e, portanto, os "bairros a leste estão completamente sitiados".

A estrada Castello era a última rota que servia ao trânsito de homens e bens para dentro ou fora dos bairros rebeldes, especialmente para a Turquia.

Em 7 de julho, as forças do regime conseguiram firmar posição a menos de 500 metros da estrada, sendo assim capaz de atirar em qualquer pessoa ou veículo.

Um combatente rebelde confirmou neste domingo à AFP que "Aleppo está agora 100% sitiada". "O exército chegou à estrada e até mesmo prendeu um grupo de civis que estava lá", disse ele, acrescentando que os militares fizeram uma barreira de sacos de areia.

Um correspondente da AFP presente nos bairros rebeldes indicou por sua vez que pelo menos seis ataques aéreos visaram o leste de Aleppo depois deste avanço dos combatentes do regime.

De acordo com o OSDH, pelo menos 16 rebeldes foram mortos neste domingo durante o avanço das tropas leais ao presidente Assad.

Seis civis, entre eles uma criança, morreram nos bombardeios aéreos aos bairros rebeldes, enquanto outros seis - entre eles duas crianças - morreram em bombardeios rebeldes às zonas controladas pelo regime, acrescentou o OSDH.

Ativistas em Aleppo lançaram um apelo no Facebook para que os civis não se aproximem da estarda Castello, onde poderiam ser presos ou feridos.

FomeSegundo a ONU, cerca de 600.000 pessoas vivem em áreas sitiadas na Síria, na maioria dos casos por parte do regime, sem acesso a alimentos ou ajuda médica.

Neste sentido, as Nações Unidas declararam estar "muito preocupadas com a escalada da violência" em Aleppo, que "põe em perigo centenas de milhares de pessoas".

A ONU pediu esta semana "a todas as partes para que permitam a entrega de ajuda humanitária" e "a evacuação de civis".

Os habitantes dos bairros rebeldes já sentiam os efeitos do cerco - escassez de alimento, aumento dos preços, fechamento de padarias por falta de farinha - antes mesmo da tomada da estrada Castello neste domingo.

O líder da principal coalizão de oposição na Síria advertiu na terça-feira que centenas de milhares de civis estavam enfrentando uma crise humanitária em Aleppo.

"Se a estrada Castello for completamente cortada, mais de 300.000 civis vão passar fome", alertou em Istambul.

À falta de alimentos e produtos de primeira necessidade, soma-se os bombardeios que se intensificaram nas últimas semanas. No sábado, pelo menos 28 civis, incluindo várias crianças, foram mortas em ataques aéreos nos distritos rebeldes, segundo o OSDH.

Os rebeldes responderam com disparos de foguetes contra os setores ocidentais da cidade, matando quatro pessoas, de acordo com a mesma fonte.

Enquanto a guerra, que deixou mais de 280.000 mortos e milhões de deslocados desde 2011, não conhece trégua no terreno, o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, anunciou recentemente os planos para retomar as negociações de paz em agosto.

E reunidos em Moscou na sexta-feira, os chanceleres russo e americano, Sergei Lavrov e John Kerry, concordaram em aumentar a cooperação na Síria, em particular para combater os extremistas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos