Médicos australianos denunciam condições dos campos de migrantes

Sydney, 27 Jul 2016 (AFP) - Uma associação de médicos australianos decidiu levar ante a justiça algumas leis que impedem que sejam informadas as condições dos campos de migrantes gerenciados pela Austrália em várias ilhas do Pacífico.

Segundo testemunhos, as condições nos campos de Nauru e Papua Nova Guiné, para onde são levados os refugiados que tentam chegar de barco à Austrália, são deploráveis. Além disso, teriam ocorrido casos de abusos sexuais.

No ano passado, o governo conservador australiano aprovou novas medidas que castigam os funcionários do departamento de imigração por revelar informações a respeito de coisas que presenciam.

"Como está na lei, uma pessoa que informa sobre as condições nos centros de detenção pode ser condenada a dois anos de prisão", afirmou Barri Phatarfod, da Doctors for Refugees, que levou a questão ante a justiça.

A organização considera que a legislação, que também foi denunciada pela ONU, viola a liberdade de informação e, em consequência, é inconstitucional.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos