França denuncia envolvido em ataque jihadista que matou padre

Paris, 29 Jul 2016 (AFP) - Três dias após o assassinato de um padre em uma igreja da França por dois jovens ligados ao grupo Estado Islâmico, a promotoria francesa realizou, nesta sexta-feira, a primeira denúncia ligada ao caso.

Um jovem de 19 anos, em cuja casa foi encontrado dias antes do ataque à igreja de Saint-Étienne-du-Rouvray um vídeo com os autores do assassinato, foi acusado de formação de quadrilha com objetivos terroristas, informou a polícia.

O vídeo encontrado em um telefone celular na casa do denunciado mostra Abdel Malik Petitjean, um dos assassinos do padre, jurando lealdade ao grupo Estado Islâmico (EI) e se referindo a uma "ação violenta".

O grupo jihadista reivindicou o ataque contra a Igreja no qual morreu o padre Jacques Hamel, 85 anos.

Petitjean, 19, estava fichado por radicalização desde 29 de junho, depois de ter tentado viajar à Síria.

O jovem apareceu proferindo ameaças contra a França em um vídeo divulgado por um órgão de propaganda do EI, a agência Amaq, segundo o centro americano de vigilância de sites jihadistas (SITE).

Adel Kermiche, o outro terrorista que atacou a igreja na terça-feira, esteve na prisão por 10 meses à espera de julgamento por ter tentado em duas ocasiões viajar à Síria.

Este jovem de 19 anos foi libertado em março deste ano e colocado sob prisão domiciliar com uma pulseira eletrônica. A promotoria havia apelado, em vão, da decisão dos juízes de colocá-lo em liberdade condicional.

Isso provocou uma onda de críticas da direita e da extrema direita e vários líderes políticos exigem a renúncia do primeiro-ministro e do titular do Interior, Bernard Cazeneuve.

Outras três pessoas estão em prisão preventiva sob suspeita de envolvimento no ataque: um refugiado sírio, um francês de 30 anos do círculo de Petitjean e um menor de 16 anos cujo irmão - amigo do outro assassino, Adel Kermiche - viajou para a Síria ou Iraque em março de 2015.

Nesta sexta-feira, Valls reconheceu o fracasso do sistema judicial após o assassinato do padre, e anunciou que cogita proibir temporariamente o financiamento estrangeiro de mesquitas.

Embora a crítica de Manuel Valls não tenha sido dirigida diretamente ao governo, sua declaração contrasta com a reação que o gabinete teve após o massacre em Nice (sul) de 14 de julho, que deixou 84 mortos.

Naquele momento, o governo se negou a reconhecer a menor falha que fosse no dispositivo de segurança, apesar das críticas iradas da direita.

O primeiro-ministro advertiu em uma entrevista ao jornal francês Le Monde que a decisão da justiça antiterrorista de libertar em março um dos dois criminosos da igreja de Saint Etienne de Rouvray foi um fracasso. "É preciso reconhecer isso".

"Isso deve levar os juízes a um enfoque diferente, caso a caso, levando-se em conta as práticas de dissimulação dos terroristas", ressaltou.

Valls afirmou que não será ele "que, menosprezando todo equilíbrio de poderes, cairá na facilidade de apontar os juízes como os responsáveis pelo ato terrorista".

Depois dos atentados terroristas de julho, em um país que já foi vítima de dois ataques em 2015, que deixaram 147 mortos em janeiro e novembro, o primeiro-ministro se mostrou favorável a proibir o financiamento estrangeiro das mesquitas.

Além disso, afirmou desejar "inventar uma nova relação" com o Islã na França e que os imãs sejam formados na França, "e não em outro lugar".

Após uma reunião nesta semana entre o presidente, François Hollande, e os representantes de diferentes cultos, o reitor da Grande Mesquita de Paris, Dalil Boubakeur, também sugeriu "uma certa reforma nas instituições" do Islã.

Com o objetivo de deter a propagação de ideias terroristas, as autoridades fecharam nos últimos meses várias mesquitas consideradas salafistas.

A alguns meses das primárias que serão realizadas antes das eleições presidenciais de abril de 2017, as acusações cruzadas entre os diferentes partidos devido aos atentados cresceram.

Florian Philippot, um dos responsáveis do partido ultradireitista Frente Nacional, respondeu às declarações de Valls no Le Monde e considerou que "normalmente, quando uma pessoa é líder política, assume as consequências apresentando sua renúncia".

Por sua vez, pedindo à oposição que seja "digna e respeitosa", o primeiro-ministro acusou o chefe do partido conservador Os Republicanos (LR), o ex-presidente Nicolas Sarkozy, de "perder os nervos" depois de ter dito nesta semana que a esquerda estava "paralisada" pela "violência e barbárie".

map-blb/cf/ma/lr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos