Mais de 160.000 pessoas pedem renúncia do primeiro-ministro russo

Moscou, 5 Ago 2016 (AFP) - Mais de 160.000 pessoas assinaram nesta sexta-feira uma petição exigindo a renúncia do primeiro-ministro russo, Dimitri Medvedev, que em plena crise econômica e a um mês das legislativas aconselhou os professores descontentes com seu salário a buscarem outro emprego.

"O governo deveria estar dirigido por um homem competente, honesto e instruído. Hoje vemos o contrário", afirmava o site Change.org, onde a petição foi lançada na quinta-feira.

Na terça-feira, o primeiro-ministro e ex-presidente russo (2008-2012) provocou indignação ao aconselhar os docentes a buscarem um trabalho mais lucrativo: ensinar "é uma vocação. Se querem ganhar dinheiro, há muitos lugares ótimos onde poderão fazer isso mais rápido", declarou em uma conferência com jovens professores.

O salário médio dos professores de escola na Rússia em 2016 é de 32.000 rublos (440 euros), segundo a agência Rosstat, e este número esconde fortes disparidades entre as regiões. Os funcionários formam parte das categorias profissionais mais atingidas pela crise.

As declarações de Medvedev, feitas a um mês e meio das eleições legislativas na Rússia, provocaram uma forte polêmica nas redes sociais e na imprensa do país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos