Ao menos 45 mortos em atentado com bomba em hospital do Paquistão

Quetta, Paquistão, 8 Ago 2016 (AFP) - Ao menos 45 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas nesta segunda-feira na explosão de uma bomba em meio a uma multidão em luto reunida diante de um hospital no sudoeste do Paquistão.

A explosão provocou um banho de sangue em frente ao setor de emergência do hospital civil de Quetta, onde 200 pessoas estavam reunidas para compartilhar seu pesar pelo assassinato poucas horas antes de um famoso advogado da região, indicou um jornalista da AFP no local.

"Há ao menos 45 mortos e 50 feridos", disse à AFP Rehmat Saleh Baloch, ministro de Saúde da província do Baluchistão, cuja capital é Quetta.

Trata-se do segundo atentado mais letal cometido no Paquistão neste ano, depois do ataque suicida que no fim de março matou 75 pessoas, entre elas muitas crianças, em um parque de Lahore (leste), onde a minoria cristã celebrava a Páscoa.

Até o momento nenhum grupo reivindicou o assassinato do advogado nem o atentado contra o hospital. Muitos grupos armados - islamitas, anti-xiitas, separatistas, etc - estão implantados no Baluchistão, uma província fronteiriça com Irã e Afeganistão rica em hidrocarbonetos.

Os corpos jaziam em meio a um mar de sangue e de cacos de vidro, e os sobreviventes, em estado de choque, tentavam se reconfortar mutuamente, informou um repórter da AFP.

A massa de cadáveres dificultava sua contabilização. "Há corpos espalhados e misturados. Os funcionários do hospital tentam contá-los, mas ainda não podemos divulgar um balaço exato", explicou Sajjad Ahemd.

- "Tudo se tornou escuro" -"A explosão ocorreu quando os advogados se reuniram diante do setor de emergência. Alguns entraram no hospital e outros permaneciam junto à porta de entrada", contou o médico Adnan, do hospital civil de Quetta.

"Houve uma grande explosão e tudo ficou escuro. No início achei que tinham derrubado um edifício. Depois houve gritos", acrescentou.

Muitos advogados e jornalistas se dirigiram ao hospital depois do assassinato do presidente do colégio de advogados do Baluchistão, Bilal Anwar Kasi, abatido por dois indivíduos armados quando saía de casa.

O primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, condenou o atentado e ordenou o reforço das medidas de segurança.

"Não deixaremos que ninguém perturbe a paz desta província, que conseguimos restaurar às custas de tantos sacrifícios das forças de segurança, da polícia e da população", afirmou o chefe de governo em um comunicado divulgado por seu gabinete.

As forças de segurança e os edifícios governamentais paquistaneses são alvos frequentes dos grupos insurgentes.

Os atentados contra hospitais têm precedentes: em 2010, treze pessoas morreram na explosão de uma bomba na unidade de emergências de um hospital de Karachi, onde as vítimas de um atentado cometido pouco antes recebiam atendimento médico.

mak-ks/st/cnp/at/js.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos