EUA pede que Irã respeite direitos humanos após execução de cientista

Washington, 8 Ago 2016 (AFP) - Os Estados Unidos pediram na segunda-feira ao Irã para respeitar os direitos humanos e realizar processos imparciais, após a execução de um cientista nuclear iraniano no fim de semana por suposta espionagem para Washington, apesar de não ter condenado a ação explicitamente.

A execução na forca de Shahram Amiri, de 39 anos e cujo paradeiro era desconhecido desde 2010, foi divulgada no domingo pelo porta-voz da justiça iraniana, Gholamhossein Mohseni-Ejeie.

O anúncio foi feito mais de cinco anos depois do envolvimento de Amiri em um caso polêmico que incluiu acusações de sequestro pela CIA.

Em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, a porta-voz da diplomacia americana, Elizabeth Trudeau, fez um "chamado para que o Irã respeite e proteja os direitos humanos a fim de garantir que haja processos judiciais justos e transparentes em todos os casos".

Trudeau se negou, porém, a declarar particularmente sobre o caso de Amiri, que desapareceu em junho de 2009 na Arábia Saudita, onde realizava uma peregrinação.

Em julho de 2010, voltou a aparecer nos Estados Unidos, pedindo para voltar para o Irã. Foi acolhido então por funcionários iranianos e desde então não se tinha notícias dele.

Mohseni-Ejeie afirmou no fim de semana que Amiri tinha sido "condenado à morte" e, "recorrido do veredito, mas a Suprema Corte confirmou a pena".

Os Estados Unidos protagonizaram uma retomada histórica de relações diplomáticas com Teerã ao impulsar as negociações internacionais para chegar a um acordo sobre o programa nuclear iraniano, que foi assinado em 14 de julho de 2015 em Viena.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos