Morre homem que atacou trem na Suíça

Genebra, 14 Ago 2016 (AFP) - O homem que atacou com uma faca passageiros de um trem na Suíça e que ateou fogo ao vagão morreu no hospital devido aos ferimentos sofridos, informou a polícia neste domingo.

"O acusado, um homem suíço de 27 anos, sucumbiu aos seus ferimentos", informou a polícia de Saint Gallen, região do leste da Suíça, em um comunicado.

Pouco antes, foi anunciada a morte de uma das seis pessoas feridas no ataque, uma mulher de 34 anos, cujo estado de saúde era crítico desde o incidente da tarde de sábado.

A mulher falecida foi atingida por uma grande quantidade de líquido inflamável, o que aumenta as suspeitas da polícia de que poderia ter sido o alvo do ataque.

A polícia suíça informou neste domingo que até o momento não tem indícios de que o homem que realizou o ataque tivesse a intenção de cometer "um ato terrorista".

"Até o momento, não há indícios de que seja um ato terrorista ou com motivação política", informou a polícia do cantão helvético de Saint Gallen em um comunicado.

O porta-voz da polícia Bruno Metzger disse à AFP que o terrorismo não é sua principal linha de investigação, e que prioriza outros motivos, que não quis especificar quais.

Na tarde de sábado, o suíço de 27 anos ateou fogo a um vagão de trem no leste da Suíça usando líquido inflamável e esfaqueou vários passageiros, ferindo gravemente seis pessoas, entre elas um menino de seis anos.

Uma pessoa que estava na plataforma da estação de Salez também ficou ferida ao tirar o criminoso do trem, que estava envolvido em chamas, disse a polícia.

"Sua intervenção provavelmente evitou o pior", disse o porta-voz policial Hanspeter Kruesi ao jornal Blick, ressaltando que muitos outros passageiros poderiam ter ficado feridos.

Até o momento não foram divulgados detalhes sobre as identidades ou nacionalidades das vítimas.

O ataque foi registrado às 14h20 (09h20 de Brasília) perto da estação de Salez, em um trem em movimento que se dirigia de Buchs a Sennwald, ao longo da fronteira com Liechtenstein.

A polícia indicou que o ataque foi gravado em vídeo, o que lhes permitiu determinar que o homem agiu sozinho.

Na noite de sábado, a polícia vasculhou a casa do suposto criminoso, que vivia em um cantão fronteiriço com Saint Gallen.

"Os resultados formam parte de um processo penal e, portanto, não são públicos", disse a polícia em um comunicado.

Os procuradores de Saint Gallen, que abriram uma investigação penal após o ataque, indicaram que equipes forenses examinavam o vagão incendiado.

Este ataque foi o último de uma série de atos violentos, muitas vezes fatais, registrados na Europa nos últimos meses. Entre os incidentes ocorreram atentados reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos