Japão lembra o 71º aniversário de sua rendição na Segunda Guerra

Tóquio, 15 Ago 2016 (AFP) - O imperador Akihito destacou nesta segunda-feira os "profundos arrependimentos" pelo passado guerreiro do Japão, aos 71 anos da rendição incondicional do país, que pôs fim à Segunda Guerra Mundial.

"Ao olhar para nosso próprio passado e sentindo profundo arrependimento, desejo que nunca mais se repitam os estragos da guerra", disse o imperador, cujo pai, Hirohito, foi o encarregado de anunciar a rendição dias depois dos bombardeios contra Hiroshima e Nagasaki.

Desde que ascendeu ao trono, em 1989, Akihito personificou o Japão pacifista e respeitoso da Constituição de 1947, imposta pelos vencedores, na qual o imperador perdeu seu caráter divino.

Durante seu reinado, o imperador percorreu os países nos quais se registraram atrocidades de parte das tropas imperiais japonesas de ocupação na Segunda Guerra para compartilhar a sua dor com as populações afetadas.

No ano passado, aos 70 anos da rendição japonesa, ele expressou, pela primeira vez, o "profundo arrependimento" pelos acontecimentos da Segunda Guerra Mundial.

A mensagem deste ano ocorreu dias depois de o soberano dar a entender que deseja uma modificação do quadro legal para lhe permitir abdicar em favor de seu filho, Narihito, e transferir a ele suas funções - apenas honorárias - como "símbolo da nação".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos