Turquia parece recuar no reestabelecimento da pena de morte

Ancara, 16 Ago 2016 (AFP) - O primeiro-ministro turco se pronunciou nesta terça-feira em favor de "um julgamento justo" para o clérigo exilado nos Estados Unidos Fethullah Gulen, acusado de ser o instigador do golpe militar fracassado, e parecia recuar na possibilidade de uma restauração da pena morte.

"Uma pessoa só morre uma vez quando é executada. Existem maneiras de viver que se parecem mais com a morte para esse tipo de pessoa", disse ele em seu discurso semanal aos deputados do Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP, no poder).

"Gulen irá retornar para a Turquia e prestará contas", disse ele, prometendo que haverá um processo "justo e imparcial".

A Turquia pede com insistência a Washington desde o golpe fracassado de 15 de julho a extradição do pregador turco, inimigo do presidente Recep Tayyip Erdogan.

Morando na Pensilvânia, Gulen nega todas as acusações.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos