Turquia manda prender mais de 140 professores supostamente ligados a opositor

Em Ancara

A procuradoria turca ordenou a detenção de 146 professores universitários, principalmente da cidade de Konya (centro), por supostos vínculos com o pregador Fethullah Güllen, acusado por Ancara de instigar o golpe de Estado frustrado, informou nesta sexta-feira a agência Dogan.

Esta operação foi realizada em 17 províncias do país.

A maioria dos suspeitos trabalham na universidade Selçuk de Konya, cujo ex-reitor, o professor Hakki Gökbel, figura na lista dos procuradores, acrescenta a Dogan.

Após o golpe de Estado frustrado de 15 de julho, as autoridades turcas lançaram um expurgo maciço contra simpatizantes de Gülen na função pública, no exército, na magistratura, no ensino e na economia.

As autoridades buscam acabar com as fontes de renda das redes de Gülen, inimigo número um do presidente turco Recep Tayyip Erdogan e exilado nos Estados Unidos desde 1999. Ancara exige sua extradição a Washington.

Mais de 5.000 funcionários foram demitidos e outros 80.000 suspensos, anunciou na quarta-feira o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim. Cerca de 20.000 pessoas foram indiciadas e detidas, acrescentou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos