Construtor naval francês tem dados vazados sobre os submarinos Scorpène

Sydney, 24 Ago 2016 (AFP) - O construtor naval francês DCNS foi vítima de um vazamento de informações técnicas confidenciais de seus submarinos Scorpène, o que poderia preocupar as forças navais de Brasil, Índia, Malásia e Chile, que utilizam a embarcação, noticiou o jornal The Australian em sua edição de quarta-feira.

O grupo DCNS, do qual o Estado francês possui 62%, indicou à AFP que "as autoridades nacionais de segurança" francesas "investigam", sem dar mais detalhes.

"Esta investigação determinará a natureza exata dos documentos que foram vazados, os prejuízos eventuais para nossos clientes, assim como as responsabilidades", acrescenta o grupo.

As 22.400 páginas divulgadas, que o jornal australiano afirma ter consultado, detalham as capacidades de combate dos Scorpène, comprados pelas marinhas de guerra desses quatro países. O Brasil utilizará submarinos desde tipo a partir de 2018.

O vazamento pode preocupar também a Austrália, que outorgou em abril um contrato ao grupo DCNS para conceber e fabricar sua próxima geração de submarinos.

Apesar disso, o primeiro-ministro da Austrália Malcolm Turnbull, relativizou o impacto para o seu país.

"O submarino que estamos construindo ou que vamos construir com os franceses se chama Barracuda, e é totalmente diferente do submarino Scorpène concebido para a Marinha indiana", declarou ao canal australiano Channel Seven.

Os documentos vazados descrevem as sondas dos submarinos, seus sistemas de comunicação e de navegação, e 500 páginas são destinadas ao sistema de lança-torpedos, precisou The Australian.

Segundo o jornal, o DCNS teria sugerido que o vazamento poderia provir da Índia, não da França.

Os dados teriam sido retirados da França em 2011 por um ex-oficial da marinha francesa que, na época, era empreiteiro do DCNS.

Os documentos poderiam ter passado por empresas do sudeste asiático antes de serem enviados a uma empresa na Austrália, acrescenta o jornal.

O ministro indiano da Defesa, Manohar Parrikar, ordenou uma investigação sobre a informação revelada pelo The Australian.

"Pedi ao comandante da Marinha para que investigue e descubra o que foi vazado e o que diz respeito a nós", declarou Parrikar à imprensa na Índia.

"Entendo que se trate de uma ação de pirataria informática", acrescentou, sem fornecer maiores detalhes.

O contrato dos submarinos australianos retornou ao DCNS, mas o sistema de combate secreto dos 12 submarinos Shortfin Barracudas é fornecido pelos Estados Unidos.

Os submarinos australianos são versões reduzidas dos Barracudas franceses.

O site do DCNS afirma que o Scorpène está equipado com a tecnologia mais avançada, convertendo-o no mais letal dos submarinos de tipo convencional.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos