Oposição venezuelana desafia Maduro nas ruas para exigir referendo

Caracas, 1 Set 2016 (AFP) - A oposição venezuelana iniciou nesta quinta-feira sua manifestação nas ruas de Caracas, no que se espera que seja uma marcha histórica, pela realização do referendo revogatório contra o presidente Nicolás Maduro, que responderá ao desafio com outra manifestações, em meio a temores de distúrbios e violências.

Usando branco e gritando o slogan "Mudança Já", milhares de opositores saíram às ruas da capital para dar início a seu protesto.

"Esta manifestação vai marcar o novo rumo da Venezuela. Hoje vamos demonstrar que o referendo deve acontecer este ano porque isso é um clamor popular", declarou à AFP Jose Castillo, funcionário da estatal Petróleos da Venezuela (PDVA), afirmando não ter medo das represálias por marchar com a oposição.

O opositor atualmente preso Leopoldo López antecipa que a manifestação convocada para esta quinta-feira conseguirá uma mudança política na Venezuela, segundo uma carta publicada pelo jornal espanhol El País.

"Estamos convencidos de que milhões participarão e que com esta pressão popular e pacífica e o acompanhamento dos democratas do mundo (...) conseguiremos a mudança política", afirma López em carta escrita na prisão em que se encontra desde 2014.

A oposição espera que esta manifestação, batizada de "Tomada de Caracas", seja histórica e pressione o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) para ativar o recolhimento de quatro milhões de assinaturas necessárias para realizar o referendo revogatório.

Segundo o instituto Datanálisis, oito em cada dez venezuelanos querem a mudança de governo.

Com uma troca de acusações sobre a busca de uma explosão de violência, a oposição e o governo da Venezuela medirão suas forças nesta quinta-feira nas ruas da capital.

Militares e policiais foram colocados em locais estratégicos para acompanhar o protesto convocado pela opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), que espera reunir, em três grandes avenidas, um milhão de pessoas para exigir que o poder eleitoral acelere o referendo.

Passando para a ofensiva, os chavistas convocaram uma gigantesca mobilização também nesta quinta-feira e a qual chamaram de "Tomada da Venezuela" para, segundo seus dirigentes, "defender a revolução".

Maduro acusou a oposição de planejar um "golpe de Estado" e ameaçou mandar para a prisão dirigentes opositores, caso comece a violência: "Berrem, chorem ou gritem, irão presos!", sentenciou.

Henrique Capriles, líder opositor, disse que o governo está "desesperado" e tem "medo" de que a manifestação seja gigantesca e, diante disso, pediu a seus seguidores que protestem pacificamente.

O CNE descartou a possibilidade de antecipar a data de recolhimento das assinaturas, reiterando que será feito na última semana de outubro e advertindo que eventuais distúrbios na manifestação irão paralisar o processo.

mis-csc/jb/cn/fp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos